Diário Logo

O Diário Logo

Mogi terá show com baterias de escolas e bloquinhos no Carnaval 2023

O prefeito Caio Cunha (PODE) comentou que já se reuniu com representantes de escolas de samba de Mogi das Cruzes e a agenda caminha para a realização de um encontro de baterias de escolas, no Mogilar, e o fortalecimento da festa tocada por blocos de rua. Desfile, no modelo antigo, não será realizado neste ano. […]

7 de janeiro de 2023

Reportagem de: O Diário

O prefeito Caio Cunha (PODE) comentou que já se reuniu com representantes de escolas de samba de Mogi das Cruzes e a agenda caminha para a realização de um encontro de baterias de escolas, no Mogilar, e o fortalecimento da festa tocada por blocos de rua. Desfile, no modelo antigo, não será realizado neste ano. Uma aposta futura é a repaginação da antiga Amesb, a Associação Mogiana das Escolas de Samba e Blocos.

O Carnaval cairá no período entre 20 e 21 de fevereiro. Nos dois últimos anos, por causa da pandemia, a festa popular não foi realizada em razão da Covid-19.

O último Carnaval ocorreu em 2020, quando a Vila Industrial conquistou o tricampeonato, algumas semanas antes de o coronavírus impor as restrições sociais que afetaram fortemente as comunidades carnavalescas. 

Em 2019, a Vila também foi campeã. Nos dois anos anteriores, 2018 e 2017 não foram realizados os desfiles de rua, e a cidade ainda não engatou tendência registrada em outros municípios de se privilegiar o carnaval de blocos. 

Em uma conversa com jornalistas, quando questionado como seria o Carnaval, o prefeito Caio Cunha contou que após conversas com representantes das escolas, o governo decidiu que não será montada uma estrutura para o desfile. Pesa, nessa decisão, o fator financeiro. Não haverá desfile, segundo afirmou, por “questões financeiras e por prioridade”. 

Ficou acertado, com esses representantes de entidades, a realização de um encontro durante os dias do Carnaval, uma espécie de apresentação de baterias e dos pavilhões das escolas, no interior do CIP, onde está o Pró-Hiper, no Mogilar. Caio defende o fortalecimento dos bloquinhos de rua. 

O gestor destacou que o valor dos desfiles de rua é alto e a gestão municipal defende a organização das entidades, com o ressurgimento da Amesb para que a realização dos desfiles seja feita com recursos obtidos junto à iniciativa privada. 

Esse modelo, aliás, segundo o prefeito, será adotado na festa de aniversário de Mogi das Cruzes, em 1º de Setembro, quando a Prefeitura não deverá investir dinheiro próprio para a contratação de shows e estrutura, um ponto que encarece as festas populares. 

“A gente precisa repensar o Carnaval de Mogi e teremos (neste ano) uma apresentação da bateria-show, com os pavilhões das escolas, não é um desfile, no estacionamento do Pró-Hiper, e também fortalecer o lance dos bloquinhos – o modelo anterior é muitíssimo custoso, e com pouco retorno. A gente acaba mais gerando uma movimentação de pessoas, do que um espetáculo”, comentou. 

A ideia é promover a reestruturação da Amesb para que os desfiles se tornem uma fonte de geração de renda para as entidades.

O mesmo, acrescentou o prefeito, deverá se dar com a festa de aniversário da cidade. “A Prefeitura não quer colocar um centavo, a Prefeitura quer que haja uma exploração comercial em cima disso, por exemplo, se uma empresa trouxer um show da Ivete Sangalo, quem vai pagar é a produtora (não é que ela vai vir, é apenas um exemplo, acrescentou o prefeito). E isso é que as grandes cidades, como Rio de Janeiro e São Paulo fazem”, acrescentou. 

Veja Também