EDUCAÇÃO

Dirigente provisória assume a Diretoria Regional de Ensino de Mogi; Estado abre processo seletivo

Fernanda Maria Carlini substitui Araci Nunes Camargo enquanto o estado prepara processo seletivo para o cargo. (Foto: Arquivo)
Fernanda Maria Carlini substitui Araci Nunes Camargo enquanto o estado prepara processo seletivo para o cargo. (Foto: Arquivo)

O Diário Oficial do Estado trouxe na publicação de ontem o nome de Fernanda Maria Carlini como a substituta provisória da dirigente de ensino de Mogi das Cruzes, Araci Nunes Camargo, que estava no cargo desde outubro último. Segundo a Secretaria de Estado da Educação, o nome é provisório porque a pasta fará um processo seletivo para escolha da nova educadora para ocupar o cargo. As inscrições para os interessados começam amanhã e seguem até o próximo dia 28 de junho, pelo site www.educacao.sp.gov.br/lideres-publicos.

Ainda segundo a Secretaria, o processo faz parte de uma nova etapa do programa “Líderes Públicos”, cujo objetivo é profissionalizar a gestão de pessoas na rede e adotar uma metodologia de avaliação baseada em competências. Na fase anterior foi realizada a análise de desempenho dos 91 dirigentes regionais de ensino, e dos quais 34 deverão ser substituídos, por isso o processo seletivo.

Podem se inscrever os profissionais com curso superior ou pós-graduação na área de Educação e que sejam titulares do quadro de magistério estadual. É necessário ainda ter, pelo menos, 10 anos de experiência no magistério, ou oito, sendo dois deles na função de suporte pedagógico educacional ou direção de órgãos técnicos.

A escolha terá como objetivo valorizar competências como liderança, resiliência e tomada de decisões. O processo seletivo é composto por sete etapas: análise curricular, teste de perfil e aderência, entrevista por competência, entrevista com especialista e entrevista final realizada pelo secretário de Estado da Educação, Rossieli Soares.

A conselheira da regional do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), Inês Paz, considera autoritária essa forma de escolha de dirigente de ensino. Isso porque, segundo ela, o currículo do profissional e a experiência do profissional acabam sendo deixados de lado, por uma questão política, já que os cargos são comissionados e a escolha considera quem tem a mesma visão política.

“A gente sempre brigou por uma eleição em que a comunidade escolar pudesse votar e escolher o seu representante. Cada região tem a sua demanda e as pessoas que convivem sabem de que forma resolver, e não é um processo burocrático da Secretaria que vai dar resultado. O governo chega pra gente para comunicar as decisões dele, mas nunca para perguntar a nossa opinião. Não há democracia”, enfatiza.

Avaliação

A reportagem de O Diário não conseguiu contato com a ex-dirigente Araci Nunes Camargo, que está de licença por conta da morte da mãe. Ela deverá voltar nos próximos dias à Diretoria de Ensino, mas para ocupar o cargo de supervisora. Na avaliação da Apeoesp, a dirigente cometeu algumas falhas, como não ter dado encaminhamento ao projeto de cultura da paz nas escolas, entregue pela regional, e montar a reposição de aulas da greve.

“Mas ela se mostrou também interessada quando abriu um processo para apurar a situação da escola Iracema Brasil, que tinha problema com a diretora autoritária, além do comércio na escola. Nós levamos para a Araci o caso da Andreia Nagatani, que levou o marido dentro da escola estadual para fazer propaganda de escola particular, e ela começou a investigar o caso”, avalia Inês.

Em nota, a supervisora de ensino Andrea Nagatani, por meio de sua Advogada Dra. Victória Monteiro Makhlouf, esclarece que as medidas judiciais já estão sendo adotadas. Embora a supervisora de ensino ainda não tenha sido sequer notificada da apuração preliminar citada na reportagem, “esclarece que será devidamente comprovado que não exerceu qualquer tipo de influência nas divulgações de seu marido em escolas públicas, as quais foram devidamente autorizadas pelos respectivos diretores”, destacou o texto enviado a O Diário. 

Deixe seu comentário