AJUDA

Em Mogi, cerca de 211 mil deverão receber auxílio emergencial durante a quarentena

NÚMEROS Auxílio emergencial do Governo Federal deve beneficiar empreendedores individuais que ficaram sem rendimentos durante isolamento. (Foto: arquivo)
NÚMEROS Auxílio emergencial do Governo Federal deve beneficiar empreendedores individuais que ficaram sem rendimentos durante isolamento. (Foto: arquivo)

Levantamento realizado por O Diário com base nos dados oficiais da Prefeitura de Mogi das Cruzes e fundamentados em informações federais mostram que cerca de 211 mil pessoas devem receber ao auxílio emergencial na cidade. O volume representa 47% do total de 445 mil habitantes do município no ano passado, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). O benefício consiste no pagamento de R$ 600,00 pelo Governo Federal às pessoas que devem ficar sem renda ou já estavam desempregadas durante o período de quarentena.

A cidade conta com cerca de 25 mil microempreendedores individuais (MEIs) cadastrados no Governo Federal. Havia cerca de 99 mil pessoas sem emprego no fim do ano, segundo dados de dezembro do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Este total retirado do bolo de 112 mil da população economicamente ativa, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) corresponde a 13 mil desempregados. Além disso, há 308 mil habitantes na cidade entre os 15 e 65 anos, mas apenas 112 mil economicamente ativos, 25 mil empreendedores, então 171 mil estariam na informalidade. Desde volume, 48 mil estão cadastrados no CadÚnico, sendo que 25 mil recebem o Bolsa Família.

Ou seja, somados os 25 mil microempreendedores, 48 mil na linha da pobreza cadastrados no CadÚnico, 13 mil desempregados e 126 mil informais, chega-se ao total de 211 mil pessoas, que devem ser consideradas aptas a receberem o auxílio, excluindo desse montante apenas os que já recebem outro benefício, como aposentadoria ou afastamento médico, e não entram nos cálculos no CadÚnico.

Segundo informações da Agência Brasil, do Governo Federal, começa amanhã o pagamento da primeira parcela do auxílio emergencial de R$ 600,00 para pessoas inscritas no CadÚnico com conta no Banco do Brasil ou poupança na Caixa Econômica Federal. Para os clientes dos demais bancos, o pagamento será feito a partir do dia 14 deste mês.

O segundo pagamento do benefício de R$ 600,00 ocorrerá entre 27 e 30 de abril, conforme a data de aniversário dos beneficiários. E a última parcela ocorrerá de 26 a 29 de maio. A ideia é que todo o pagamento do benefício – as três parcelas de R$ 600,00 – seja feito em 45 dias, totalizando a liberação R$ 98 bilhões para 54 milhões de pessoas.

Ontem foram lançados os aplicativos para iOS e Android para os trabalhadores informais, autônomos, microempreendedores individuais (MEIs) e contribuintes da Previdência que ainda não têm informações no CadÚnico. O cadastramento também é necessário para as pessoas que não estavam no CadÚnico até o dia 20 de março. Quem não sabe se está no cadastro pode conferir a situação ao digitar o número do CPF no aplicativo.

Parte das feiras da cidade será retomada

A Prefeitura de Mogi das Cruzes autorizou A reabertura das feiras livres, que funcionam de terça a sábado na cidade. Os feirantes deverão atender as medidas de proteção para evitar a disseminação do coronavírus. A partir de hoje, somente serão comercializados frutas, legumes, verduras, carnes, ovos e flores. As feiras noturnas e as que funcionam aos domingos continuam suspensas.

A autorização foi dada ontem, data em que os feirantes adquiriram os produtos e receberam as orientações para o funcionamento.

Essa é a segunda flexibilização da Prefeitura de Mogi em menos de uma semana. Na última sexta-feira, o Mercado Municipal voltou a funcionar parcialmente, só com os boxes de alimentos de primeira necessidade e os que comercializam ração animal. O acesso foi limitado e a entrada ocorre pela rua Coronel Souza Franco. A atividade é acompanhada pela administração municipal, que poderá revogar a medida em caso de descumprimento de alguma norma para prevenção à disseminação do novo coronavírus. Quinze boxes comercializam hortifrútis, mercearia, carnes e ração. Além disso, é disponibilizado álcool em gel para que todos se higienizem.


Deixe seu comentário