MENU
BUSCAR
ESPECIAL

Ala do Mogi Basquete, Luís Gruber, mostra confiança no futuro do time

O ala-pivô da equipe mogiana, Luís Felipe Gruber, destaca toda sua confiança no futuro do time e conta um pouco da sua trajetória no esporte que escolheu

Larissa RodriguesPublicado em 30/04/2021 às 15:43Atualizado há 1 mês
Foto: arquivo
Foto: arquivo

As quadras de Santa Rosa, no Rio Grande do Sul, ficaram pequenas para Luís Felipe Gruber quando o ala-pivô do Mogi das Cruzes Basquete tinha 13 anos de idade. Foi lá que ele nasceu e começou a praticar o esporte no Colégio Dom Bosco, onde estudava e a mãe, Ieda, era professora. Há três temporadas na cidade, ele vem se destacando na equipe mogiana e se mostra confiante para o futuro do time.

“Estão sendo anos muito bons, esses três em que estou em Mogi. Foram temporadas muito diferentes umas das outras, nenhuma foi parecida, tiveram sentimentos muito distintos, fica difícil destacar alguma. A primeira foi muito boa pelo terceiro lugar que a gente conquistou. Mas no ano passado, quando me lesionei e o campeonato parou, estávamos muito bem e agora estamos avançando nos playoffs”, ressalta o jogador.

No ano passado, no dia 15 de janeiro, Gruber se lesionou em uma partida contra o Quimsa pela Champions League. Ele sofreu uma ruptura no ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo e precisou passar por uma cirurgia. Após nove meses longe das quadras, o atleta voltou a compor a equipe em novembro de 2020, no dia 17, contra o São Paulo.

Desde então, ele – que mede 2,01 metros e pesa 111 quilos – tem ajudado bastante o Mogi no avanço dentro do NBB (Novo Basquete Brasil). Nas oitavas de final dos playoffs, o jogador fez 18 pontos na partida em que a equipe ganhou do Unifacisa por 94 a 85. Na série, o time mogiano levou a melhor, por 2 a 1, e se classificou para as quartas de final, jogando contra o Flamengo.

“Procuro sempre tentar ver o que a equipe precisa naquela hora, naquele momento e colocar o meu jogo a favor disso. Ajustar o que está precisando, ver o que é pedido, como está o jogo e dessa maneira eu vou tentando encaixar.”, diz ele.

Espanha

Antes do Mogi, Gruber teve uma temporada na Espanha, onde atuou por sete anos e voltou para o Brasil em 2010. Por aqui, jogou no Joinville, Uberlândia, Paulistano, Fortaleza Basquete Cearense e no Franca.

Na última quarta-feira (28), o Mogi acabou sendo superado pelo Flamengo por 109 a 79. O segundo confronto estava marcado para sexta-feira (30), mas até o fechamento desta reportagem, a partida ainda não tinha acontecido. Durante a semana, o ala-pivô se mostrou confiante para os próximos passos do time no NBB.

“A gente conseguiu reduzir os erros que a gente vinha tendo em alguns jogos para as oitavas de final. A gente cresceu muito nos últimos jogos. Alguns jogadores apareceram e ajudaram muito”, afirmou.

Aos 36 anos, Gruber é um dos atletas mais experientes do Mogi e fazendo uma avaliação da equipe, ele destaca o fato do time entrar em quadra sendo competitivo.

O jogador acredita que a equipe vem demonstrando isso nos últimos jogos e que conseguiu manter um bom nível nas partidas dessa fase decisiva.

“O time em nenhum momento desistiu e eu acho que é isso que devemos manter. Ter vontade e elevar nosso nível de jogo”, conclui o atleta.

 Retrospecto

Após terminar a fase de classificação do NBB na 8ª posição, com 15 vitórias em 30 jogos, o Mogi Basquete teve o Unifacisa – de Campina Grande, na Paraíba – como adversário nas oitavas de final nos playoffs do campeonato. Foram três jogos nessa etapa da competição e a equipe mogiana venceu o primeiro jogo por 77 a 70.

Na segunda partida o Mogi foi superado e perdeu por 95 a 84, se recuperando no terceiro embate, quando ganhou de 94 a 85.

ÚLTIMAS DE Esportes