MENU
BUSCAR
NOVO TÉCNICO

Padovani revela planos para o Mogi Basquete

O Mogi Basquete passa por transformações radicais, em esforço para salvar o time e resgatar paixão do mogiano

Fábio PalodettePublicado em 11/06/2021 às 12:10Atualizado há 2 meses
Foto: divulgação / Mogi Basquete
Foto: divulgação / Mogi Basquete

“O mogiano sempre foi apaixonado pelo basquete. A chama pode ter dado uma abaixadinha, mas ela não apagou e continua acessa”. Essas são as palavras de Danilo Padovani, que volta a assumir o posto de técnico do Mogi das Cruzes Basquete após a saída do ‘coach’ Guerrinha, com a missão de fortalecer a equipe onde ele marca presença há uma década.

A expectativa de todos na equipe, que passa por processo radial de reestruturação em meio às dificuldades, que foram alavancadas pela pandemia, é resgatar aquela energia no Hugão, o ginásio Professor Hugo Ramos, durante os jogos que atualmente são realizados sem torcida. “Só quem está lá sabe como é”, descreve Danilo. Tudo no momento quando for seguro, após a vacinação contra o coronavírus. Para isso, uma série de desafios precisa ser superado. “Tenho certeza que voltando a normalidade essa chama vai voltar junto com o time”, avalia Padovani.

Ele foi anunciado na semana passada como novo técnico do Mogi para a temporada 2021/22. Poucos antes, a Prefeitura anunciou o projeto “Joga Junto Mogi”, em tom pessimista, citando que o basquete mogiano “chegou ao fundo do poço”. O projeto, entre outras metas, deverá, criar categorias de base formativas em parceria e de forma integrada com Mogi Basquete. A ideia é aproximar e profissionalizar os mais jovens com a modalidade, beneficiando também o elenco principal do Mogi, além de reunir outras iniciativas que aproximariam o esporte do público mais novo. As medidas devem ser implementadas em 2022.

Para Padovani, o projeto será benéfico. Ele também avalia que a reestruturação veio em boa hora. “Ou o basquete acabava ou continuava”. Ele já alavanca as metas: “O objetivo de toda equipe profissional é sempre buscar o título. Daqui para frente vamos trabalhar com os jogadores, tentando manter a mesma equipe e pensando no futuro e títulos”. 

Danilo conta que agora irá analisar os pontos fortes do time, buscando explorar a fraqueza do adversário. 

“Meu estilo de jogo vai depender muito do time que teremos na mão. Depende se é um time jovem, atlético, que consegue correr a quadra inteira por muitos minutos, ou se é um time mais experiente, que você precisa de uma dosagem maior para rodar os jogadores”, avalia ele. “Hoje em dia, no basquete moderno, se tem muita intensidade. Para isso é preciso fazer um rodízio”, diz.

Mas basicamente, ele conta que dará prioridade à defesa. “Hoje em dia queremos um jogo de transição ofensiva, já chegar jogando e pegar o adversário surpreendido”, conta. 

“Se a gente conseguir manter a equipe do ano passado para cá vai ser muito bom. Os jogadores são unidos e se respeitam. Todos estão em um momento de crescimento e aproveitam a oportunidade como uma vitrine”, avalia o técnico. 

“A princípio já foi conversado com todos os jogadores, mas muitos têm propostas de outras equipes”, conta. Nos próximos dias, o quadro para a próxima temporada estará mais completo. 

Até a tarde desta sexta-feira (11), cinco nomes já haviam sido confirmados para a temporada 2021/2022. O Mogi anunciou a renovação e contratação do novo técnico da equipe, Danilo Padovani, e as renovações com o armador Fúlvio Chiantia, o ala Wesley Mogi, o ala-pivô Douglas Santos e com o ala-armador Guilherme Lessa.

Por fim, Danilo avalia o impacto da pandemia ao esporte. “O que eu tenho que falar é de dentro da quadra, tentamos extrair o máximo de nossos jogadores. Terminar com muita ombridade e honra. Agora é pensar daqui para frente que as coisas possam melhorar”, finaliza o técnico.

  

 O “coach” sai de quadra com títulos na bagagem

Mogi das Cruzes se despede do técnico Jorge Guerra com boas lembranças. O contrato de toda a equipe se encerrou no final de maio último e, em meio a reestruturações, o “coach” não teve o vínculo renovado. Agora, ele quer “virar a página”. 

Guerrinha deixa o comando do Mogi Basquete após cinco temporadas, com dois títulos e mais outras duas finais disputadas como conquistas. 

Em 2020, apesar das dificuldades financeiras, alavancadas pela pandemia, o desempenho do time também não deixou a desejar, chegando até as quartas de final do NBB (Novo Baquete Brasil).

Apesar de ser especulada, a saída de Guerrinha pegou muitos torcedores de surpresa. Nas redes sociais, mogianos enviaram mensagens de apoio e também de agradecimentos pelo trabalho ao longo das últimas cinco temporadas. 

Guerrinha chegou ao Mogi Basquete em junho de 2016, com a missão principal de colocar a equipe na rota dos títulos. Logo em sua primeira temporada, o técnico ajudou o time mogiano a voltar a vencer o Campeonato Paulista.

No ano seguinte, o time continuou a todo vapor, com dois vice-campeonatos ao Mogi: o da Liga das Américas - hoje denominada Champions League Américas -, além  do NBB 10. Até hoje, essa foi a posição mais longe que o time já chegou neste campeonato. 

Nos anos seguintes, veio uma redução drástica no orçamento, dificuldando encarar as demais equipes de igual para igual. 

Na temporada de 2018 e 2019, Mogi chegou ao terceiro lugar da NBB. Em 2019 e 2020 ficou na quinta posição. Na epóca, também  foi eleito o melhor treinador do torneio e faturou o troféu Ary Vidal.

 Em cinco temporadas, Guerrinha conquistou: 

- Título sul-americano 2016

- Título paulista 2016

- Vice-campeão do NBB 2018

- Troféu Ary Vidal de Técnico do Ano do NBB 2019/20

- Vice-campeão da Liga das Américas 2018

- Título de cidadão mogiano

ÚLTIMAS DE Esportes