ARTIGO

Hora de se criar um novo mundo

Olavo Câmara

Como a maioria está em casa e de folga é momento para reflexão e estimular os pensamentos e fazer criações mentais. Já imaginou se houvesse a reunião de todos os povos em paz e a união da raça humana? Por que os povos não se unem? As crenças, religiões, culturas, ganâncias, sede de poder e domínio de uns sobre os outros, impedem. Há territórios que não dispõem de recursos naturais para sobrevivência dos seus povos e outros com farturas. Entretanto, ninguém quer “abrir mão de nada”.

Reflitam sobre o Brasil, um país rico, com mais de 8.511.000 km2, com uma população de mais de duzentos milhões de habitantes, detentor de grandes florestas, fauna e flora invejável, imensas reservas de água potável, mas o povo é desarticulado com a educação, política e desenvolvimento social, apesar de que nos últimos anos os movimentos sociais terem avançados.

O mais assustador no planeta são as questões relacionadas com o meio ambiente e as guerras. Analise o momento desta pandemia os povos ficaram assustados, pois nunca houve uma crise como a que se está vivendo. É possível se criar um novo mundo? É difícil, mas pode ser que esteja iniciando esta caminhada. Em 1970 se falava muito em era de aquário que estaria chegando ao século XXI. Muito se comentava em destruição do planeta, fim do mundo e outros comentários. Mas, não se sabe se é ou não a era de aquário que chegou.

Entretanto, os problemas estão aí. A união dos povos seria algo maravilhoso. Estamos longe desta utopia, pois as ideologias avançam e há países que desejam implantar o socialismo, outros querem continuar como está, e ainda há países que não desejam nem socialismo, comunismo nem capitalismo. Pode ser o início de um novo ciclo para a humanidade.

A criação do nosso futuro é inevitável, além de ser obrigação de todos os seres humanos, tenham ou não consciência destas questões. É um desafio e uma responsabilidade modificar os comportamentos e criar uma nova sociedade para influenciar os governos e modificar os comportamentos dos povos.

É dever de todos fazer um grande esforço de criatividade, refletir e desenvolver um alto grau de consciência, tanto política, social, pessoal e administrativa.

Olavo Câmara é advogado, professor, mestre e doutor em Direito e Política.


Deixe seu comentário