PREVISÃO

Obras elevarão a 90% a coleta e o tratamento de esgoto em Jundiapeba

JUNDIAPEBA Máquinas começam a trabalhar em terreno que receberá nova estação elevatória de esgoto. (Foto: divulgação - PMMC)
JUNDIAPEBA Máquinas começam a trabalhar em terreno que receberá nova estação elevatória de esgoto. (Foto: divulgação – PMMC)

Já começaram as intervenções no terreno que receberá a nova Estação Elevatória de Esgotos na Vila Nova Jundiapeba, que faz parte das obras de esgotamento sanitário no bairro, No local, serão assentados de 15 quilômetros de redes, 1.760 metros de coletor-tronco e 1.240 metros de linha de recalque (bombeamento). O investimento será de R$ 9.534.043,37, com recursos do Governo Federal. O projeto representará um aumento de 6,9% no volume de esgoto tratado na cidade, passando dos atuais 61% para 67,9%. Especificamente em Jundiapeba e Nova Jundiapeba, o índice será superior a 90%, tanto coleta quanto tratamento. A previsão é concluir os trabalhos em 2021.

“No ano 2000, o município tratava apenas 0,5% do esgoto coletado. Isso passou a mudar a partir de 2008, com a inauguração da Estação de Tratamento Leste, em César de Souza. Desde então, alcançamos avanços históricos e chegamos aos atuais 61%, índice que será ampliado com as novas obras”, diz o prefeito Marcus Melo (PSDB). Os 15 quilômetros de redes vão abranger 26 vias, onde residem cerca de 8 mil pessoas.

A Prefeitura e o Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae) investem em outras frentes para ampliar os índices de coleta e tratamento na cidade. Está em fase final a implantação de um sistema de coleta, condução e tratamento de esgoto em Sabaúna.

O investimento é de R$ 3,2 milhões na construção de uma Estação de Tratamento de Esgoto, rede e três estações de bombeamento, todas na Vila Andrade, área central do Distrito. A capacidade de tratamento é de 9 litros por segundo para atender uma população de 4.000 pessoas.

A autarquia também está investindo mais de R$ 3 milhões na reforma e modernização da Estação Elevatória de Esgoto Indonésia. Serão feitas readequações estruturais, obras civis e melhorias nos sistemas elétrico, hidráulico e mecânico.

Como adotado em outras três elevatórias recém-modernizadas, o Semae passará a utilizar nova tecnologia para o bombeamento de efluentes, até a estação de tratamento, com bombas que ficam na superfície, facilitando a operação e a manutenção, e um triturador para evitar que materiais sólidos lançados irregularmente na rede comprometam a operação. A Indonésia é a principal estação de bombeamento de esgotos de Jundiapeba.

Botujuru: 60% já estão concluídos

O Semae prevê ainda neste anos os 40% das obras esgotamento sanitário do Botujuru e César de Souza em execução desde 2016. A maior parte dos serviços foram concluídos. Atualmente, esta é considerada a maior obra de coleta e tratamento de esgoto em andamento na cidade, resultado de um investimento de R$ 26 milhões.

No total, serão implantados 45 quilômetros de redes de esgoto, 2.760 ligações prediais, 3.500 novas ligações prediais ao término da obra, 6 Estações Elevatórias de Esgoto (EEE), 4.000 metros de linhas de recalque (bombeamento) e 4.500 metros de coletores-tronco.

Para o futuro, na pauta da autarquia a conclusão dos projetos executivos para sistemas de esgotamento sanitário em núcleos isolados: Biritiba Ussu, Chácara Guanabara, Jardim Nove de Julho, Parque São Martinho, Parque Varinhas, Quatinga, Taiaçupeba e Vila Mathias (Sabaúna). O investimento nestes projetos é de R$ 5,7 milhões. Após a conclusão dessa parte, no entanto, vem o mais complicado: a busca dos recursos financeiros para a execução do que vai livrar os bairros de problemas de saneamento.

Nove de Julho vai ficar sem água

A partir de amanhã, serão realizados trabalhos de manutenção preventiva e limpeza da tubulação de captação do poço do Jardim 9 de Julho. De acordo com o Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae), o abastecimento será interrompido às 8 horas de quarta-feira até o início da noite sexta-feira, dia 24. A autarquia manterá a distribuição de água a partir do reservatório, que será abastecido com caminhões-pipa. Mesmo assim, pode haver momentos de falta d’água, principalmente nos horários de maior consumo. A manutenção preventiva é necessária para preservar a vazão adequada dos poços e a qualidade da água neles captada.

O bairro é atendido por sistemas autônomos de abastecimento, formados por poços, casas de química e filtros para tratamento da água, estruturas de bombeamento, redes de distribuição e possui quase 160 metros de tubulação vertical. Informações podem ser obtidas pelo telefone 115


Deixe seu comentário