MENU
BUSCAR
INDÚSTRIA

O futuro é logo ali. E é preciso preparar nossos alunos

O Sesi Nadir Figueiredo, em Mogi das Cruzes, ganhou uma unidade do FabLab, um espaço inovador para a formação da mão de obra da indústria 4.0

José Francisco CaseiroPublicado em 08/10/2021 às 18:09Atualizado há 2 meses
O Sesi de Braz Cubas oferece espaço para cursos ligados à área de tecnologia e inovação / Arquivo/O Diário
O Sesi de Braz Cubas oferece espaço para cursos ligados à área de tecnologia e inovação / Arquivo/O Diário

Um dos grandes legados da indústria brasileira é a educação oferecida por meio do Sistema S. O Serviço Social da Indústria (Sesi) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) representam a vanguarda de uma educação de qualidade que proporciona inúmeras possibilidades aos seus estudantes. Recentemente, o Sesi Nadir Figueiredo, em Mogi das Cruzes, ganhou uma unidade do FabLab, um espaço inovador que está presente em várias escolas do estado. 

Mais que uma sala onde os alunos podem ter acesso a impressoras 3D e cortadoras a laser, os estudantes do Sesi podem tocar o futuro. A rede FabLab é um programa educacional do Center of Bits andAtoms (CBA), do Massachusetts Instituteof Technology (MIT), da Fab Foundation.  

Mas afinal, o que isso significa? Essa ferramenta nada mais é que a possibilidade de acesso, em tempo real, a 30 países, de 24 fusos horários. A rede FabLab Sesi SP está conectada a todos esses lugares recebendo e transmitindo experiências. É uma convivência que transpõe as paredes da escola. Com o sistema é possível manter contato com uma comunidade global de alunos, professores, pesquisadores, fabricantes e inovadores.  

Sabemos que a tecnologia estará cada vez mais presente em nossa rotina e que as profissões do futuro estarão ligadas a área tecnológica. A indústria 4.0 já não é o futuro, mas o presente, que foi acelerado, em certa forma, pela pandemia de Covid-19. 

É missão do Sesi e Senai preparar nossos alunos para encarar os desafios da vida com a melhor qualificação possível e mais uma vez, saímos na frente. As escolas do Sesi já são conhecidas pelos projetos e aulas de robótica, que estimulam e ampliam o conhecimento científico e tecnológico. O projeto explora a experimentação, desenvolve o trabalho em equipe e as habilidades múltiplas dos alunos, além de englobar os conceitos de ciência, tecnologia, engenharia, arte e matemática. Isso torna o ato de aprender mais divertido e atrai nossas crianças. Nossos estudantes participam de campeonatos e olimpíadas dentro e fora do Brasil, sempre com excelentes resultados.  

 Agora, os estudantes terão acesso ao Fab Lab. Além dos equipamentos já citados, os espaços concentram cursos e oficinas que envolvem a prototipação digital, atividades Maker, que são derivadas do conceito faça você mesmo, que estimula as crianças a criarem, modificarem e desenvolverem novos objetos. Os alunos contam ainda, com aulas voltada para eletrônica digital, prototipagem com Arduino, desenho planificado em 2D, corte em vinil para comunicação visual e estamparia, bem como usinagem CNC de pequeno porte programação, projetos com Raspberry e outros equipamentos e sistemas. 

Outro ponto interessante, é que o acesso a esses aparelhos e tecnologias não fica restrito aos alunos do Sesi, é possível locar por hora alguns dos recursos disponíveis. Assim, os interessados podem desenvolver projetos, ideias, criar trabalho para a faculdade e construir protótipos.  

Todo este investimento busca preparar os estudantes para as oportunidades futuras e direcionar os alunos para suas aptidões. Este trabalho vai ao encontro do estudo Profissões Emergentes na Era Digital: Oportunidades e desafios na qualificação profissional para uma recuperação verde, conduzido pelo Núcleo de Engenharia Organizacional (NEO) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e pela Agência Alemã de Cooperação Internacional (GIZ - Deutsche Gesellschaftfür Internationale Zusammenarbeit GmbH), em parceria com o Senai. 

O levantamento mostrou quais são as tendências para a indústria de transformação e os serviços produtivos do Brasil. Ao todo, foram identificadas 14 carreiras em ascensão no curto (2 anos), médio (5 anos) e longo prazo (10 anos). Entre as profissões do futuro estão Expert em Digitalização Industrial, Operador Digital e Profissional de Manufatura Aditiva. 

A pesquisa identificou que a digitalização do setor poderá ser responsável por gerar 767,5 mil postos de trabalho, das 14,9 milhões de vagas, na próxima década. Se por um lado, existem grandes oportunidades, por outro, o trabalho mostra que faltará mão de obra qualificada. Em dois anos a indústria vai precisar de 401 mil profissionais, no entanto, apenas 106 mil estarão disponíveis, o que significa um déficit de 74%. 

É justamente este cenário que o Sesi e o Senai tentam mudar, capacitando desde já os alunos. 

As carreiras como conhecemos hoje passarão por grandes mudanças e nossas unidades estão preparadas para capacitar nossos alunos, mas a pergunta que fica, e as outras escolas?  

O Sesi e Senai podem e devem ser exemplos para a educação brasileira, pois apenas com toda população capacitada vamos conseguir avançar em nosso desenvolvimento e economia.

José Francisco Caseiro é diretor do Sistema Fiesp/Ciesp no Alto Tietê

ÚLTIMAS DE Colunistas