Diário Logo

Notizia Logo

Sesc vira realidade: unidade de Mogi abre até o final do ano

Uma luta iniciada há mais de duas décadas chega ao fim neste ano, com a entrega da unidade do Serviço Social do Comércio (Sesc) de Mogi das Cruzes, prevista até dezembro. A conquista, que mobilizou lideranças da cidade e foi encampada por O Diário, oferecerá à cidade um novo espaço de lazer, esportes, cultura e […]

18 de setembro de 2021

Reportagem de: O Diário

Uma luta iniciada há mais de duas décadas chega ao fim neste ano, com a entrega da unidade do Serviço Social do Comércio (Sesc) de Mogi das Cruzes, prevista até dezembro. A conquista, que mobilizou lideranças da cidade e foi encampada por O Diário, oferecerá à cidade um novo espaço de lazer, esportes, cultura e educação, aberto à comunidade da cidade e todo Alto Tietê, além de outras regiões.

A expectativa é atender cerca de 1 mil pessoas por dia – 30 mil por mês – no terreno que soma 27.287 metros quadrados, com 2 mil m² de área construída, anteriormente ocupado pelo Centro Esportivo do Socorro. Para a ocupação inicial, as instalações já existentes no local foram adequadas ao projeto do escritório de arquitetura André Pevedelo. 

Prestes a concluir a primeira etapa de obras, atualmente com 80% dos trabalhos concluídos e na fase de acabamento, check list, formação de equipe e mobiliário, a direção já prepara a segunda fase, que contemplará a construção do campo de grama sintética, espaço Café, serviços na área de saúde, como a Carreta Odontológica, quadra de areia, projeção de pista de skate, entre outros espaços.

O projeto para esta segunda parte da instalação do Sesc em Mogi já está em fase de contratação, com início da execução prevista para o momento da abertura da unidade ao público e expectativa de conclusão até o primeiro semestre de 2022.

Já o projeto da terceira fase da vinda do Sesc para Mogi, com a implantação definitiva, deve ser apresentado à Prefeitura Municipal em até três anos após o início das atividades, com estimativa de 5 a 6 anos para ser concluído.

Mas enquanto isso, a unidade que abrirá as portas neste final de ano contará com ampla estrutura para receber toda a programação do Sesc que já contempla outras unidades, incluindo as da Capital.

Aberto a todo o público, o Sesc atenderá ainda cerca de 40 mil trabalhadores do comércio e 14 mil associados ao Sindicato do Comércio Varejista de Mogi das Cruzes e Região do Alto Tietê (Sincomércio). Mas esta base será muito maior, porque o serviço é destinado à população em geral.

Neste momento, a ocupação inicial da unidade contempla área de convivência aberta e descoberta, espaço de leitura, loja Sesc, galpão múltiplo uso, espaço de tecnologia e artes, oficina de artes, central de relacionamento, espaço de brincar, sala múltiplo uso, quiosque de oficina ambiental, horta, sala de ginástica multifuncional, duas quadras poliesportivas, piscina, pista de caminhada, vestiários, praça de eventos, palco móvel, praça recreativa, sanitários e áreas de administração e apoio operacional.

Segundo a gerente do Sesc de Mogi, Denise Mariano, a unidade vai contemplar todas as atividades artísticas, sócio-educativas, culturais e esportivas da programação. “É um Sesc que chega à cidade com tudo o que podemos oferecer à comunidade. A revitalização dos espaços terá cenografias para abrigar melhor todos os programas que trabalhamos, acolher esta diversidade de público, para que as pessoas se sintam à vontade, com liberdade e segurança. Também temos o privilégio de contar com vários espaços abertos, onde conseguimos ter uma convivência mais próxima do normal antes da pandemia, considerando todos os protocolos de segurança que temos que seguir”, explica.

Ela destaca a cenografia dos espaços, marcada pela forte ligação com a história de Mogi. “Os projetos estão nascendo e ficando bonitos porque a parte cenográfica conta muito com a história da cidade. O Espaço Brincar, por exemplo, na área externa, tem a concepção feita por um artista contratado pelo Sesc que realizou uma pesquisa histórica de Mogi e traz muitos elementos da comunidade japonesa, nordestina e dos indígenas. O diferencial do Sesc Mogi é que ele irá dialogar, por meio de seus espaços, com a cidade”, revela a gerente.

No início desta semana, Denise recebeu um grupo formado por representantes do Sincomércio, secretários municipais e lideranças ligadas ao movimento Sesc Mogi, Nós Queremos – que se mobilizou com campanhas e abaixo-assinado para a vinda da unidade à cidade. Na ocasião, ela apresentou as instalações do novo espaço de lazer e destacou os serviços que entram em funcionamento ainda este ano.

 

Foco local e regional

Os artistas de Mogi das Cruzes e do Alto Tietê devem ser priorizados na programação do Sesc da cidade. A proposta, segundo a gerente da unidade mogiana, Denise Mariano, é manter diálogo constante com artistas e atletas locais e regionais.

“Sempre buscamos conhecer o território em que estamos, aproveitando a experiência de quem já está na cidade há algum tempo. Para a abertura, temos uma comissão que cuida da programação artística e esportiva do Sesc, que faz esta pesquisa. Além disso, há um bom trânsito com a Prefeitura e secretarias para nos apoiar no contato com estes artistas e atletas que são da região. Já recebemos várias propostas e estamos começando um namoro bonito aqui. Há artistas e equipamentos culturais muito bons em Mogi. Neste momento, estamos descobrindo a cidade e tentando nos apropriar um pouco mais. Vamos ter parceiros aqui para fazer a programação, porque além da parte cultural e artística, Mogi tem uma parte esportiva forte”, explica Denise,

A gerente também destaca que o próprio espaço que a unidade mogiana ocupa já guarda um histórico esportivo importante com práticas como o judô e  natação. “Estas modalidades estarão muito presentes no Sesc e nas atividades da programação, trazendo pessoas que atuam na área e fazem parte da cidade. Vamos trabalhar muito junto e dialogar com a comunidade, ouvindo e aprendendo”, considera ela, que foi atleta de basquete e já esteve na cidade para participar de partidas, e de passagem em viagem a Bertioga.

Aos 44 anos, Denise mora atualmente na Capital, onde nasceu, mas prepara a mudança de residência para Mogi, a fim de acompanhar de perto as atividades do Sesc. 

Graduada em Educação Física e pós-graduada em Educação Motora pela Faculdade de Educação Física de Santo André (Fesisa) , ela tem MBA em Bens Culturais, Economia e Gestão pela Fundação Getúlio Vargas (SP), é casada e atua há 20 anos no Sesc. Já passou pelas unidades de Santos, São Caetano, Campinas, Osasco e Itaquera – nestas duas últimas na função de gerente-adjunta.

 

7 mil credenciais já estão prontas

A três meses da abertura da unidade do Sesc de Mogi, cerca de 7 mil credenciais já foram solicitadas por pessoas moradoras da cidade para uso do espaço. Antes da inauguração, haverá uma ação de divulgação e aproximação com o público para esta finalidade, mas quem quiser se adiantar pode procurar uma unidade do Sesc e solicitar a matrícula. 
“Este ano é atípico por conta da pandemia e estamos nos redescobrindo. Será uma forma diferente do que costumamos fazer nas inaugurações, mas vamos trabalhar com agendamento no site para que a pessoa venha à unidade já com horário agendado, a fim de não causar aglomeração. Quem já tem a credencial, com abrangência nacional, mas está com prazo expirado, pode fazer a renovação no site, e quem ainda não a possui pode ir a qualquer unidade do Sesc para fazê-la”, destaca a gerente Denise Mariano.

Ela reforça que o Sesc não é feito  apenas para comerciários. “O comerciário não é ilha. Tem amigos, família e pessoas ligadas a ele. E o Sesc é feito para a comunidade em geral. A unidade tem capacidade para receber 30 mil pessoas por mês e não é um clube fechado. Será aberta, sem catraca na entrada, então as pessoas continuarão com acesso ao espaço, como antes. A credencial funciona no caso de shows e atividades que, por ventura, tiverem entrada cobrada. O credenciado tem valor diferenciado, mas quem desejar participar também poderá comprar o ingresso a valores muito acessíveis”, explica.

 

Veja Também