Diário Logo

Notizia Logo

Trio Conversa Ribeira lança novo clipe nesta quarta-feira

A moda de viola clássica de Sulino (Francisco Gottardi), ‘Herói sem Medalha’, narra a triste história de um homem que teve de vender seu boi de estimação em um momento de crise e, mais tarde, trabalhando para um matadouro da cidade, se deparou com o animal e não teve coragem de abatê-lo. O Conversa Ribeira, […]

23 de fevereiro de 2021

Reportagem de: O Diário

A moda de viola clássica de Sulino (Francisco Gottardi), ‘Herói sem Medalha’, narra a triste história de um homem que teve de vender seu boi de estimação em um momento de crise e, mais tarde, trabalhando para um matadouro da cidade, se deparou com o animal e não teve coragem de abatê-lo. O Conversa Ribeira, trio cuja viola é de um mogiano, resgata a música do final da década de 70, que faz referência ao êxodo rural, com novo arranjo de João Paulo Amaral, e a apresenta nesta quarta-feira (24), às 20h30, no YouTube, Facebook e Instagram.

Com ilustrações da artista Laura Lydia, o clipe da canção faz parte da readequação do Programa de Ação Cultural (ProAC), da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, já que, devido à pandemia, não foi possível excursionar com o show do álbum ‘Do Verbo Chão’, lançado no final de 2019. 

Formado por João Paulo Amaral (voz e viola caipira), de Mogi; Andrea dos Guimarães (voz), de Tupaciguara, pequena cidade do Triângulo Mineiro; e Daniel Muller (piano e acordeão), de Jundiaí, o trio se tornou conhecido por reinterpretar clássicos do cancioneiro caipira. 

Eles se conheceram durante a graduação em Música Popular na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), onde descobriram um grande interesse em comum: a música caipira, de raiz, que remete a origem “familiar interiorana” de cada um.

Trajetória

O trio já percorreu o país e o exterior – representou o Brasil em festivais no México e em Portugal (Festival Ollin Kan de Culturas de Resistência). Após lançar seu 1º CD em 2007, foi selecionado no Projeto Pixinguinha (Funarte, 2007) e no programa Rumos Itaú Cultural (2008). Recebeu, em 2011, o prêmio Inovação do Festival Voa Viola e, em 2014, o prêmio Cata-vento (Rádio Cultura AM) de Melhor Grupo de Música Raiz.

Em 2012, dividiu o palco com a Orquestra Municipal de Jundiaí, criando arranjos para incorporar a orquestra de cordas à sua concepção peculiar da música caipira, e com a Orquestra Sinfônica de Sorocaba. Em 2017, voltaram ao palco da Orquestra Municipal de Jundiaí, ao lado de Renato Teixeira. O 2º CD, “Águas Memórias”, foi lançado em 2013. Ao longo de sua trajetória, o trio apresentou-se ao lado de Guinga, Inezita Barroso, Mônica Salmaso e Paulo Freire.

‘Do verbo Chão’, o terceiro álbum, foi gravado com recursos próprios e viabilizado por meio de uma campanha de financiamento coletivo (Catarse), com a contribuição de mais de 220 pessoas. O show de lançamento aconteceu no Itaú Cultural/ SP, em novembro de 2019, e o CD completo está disponível nas plataformas digitais. 

Veja Também