Diário Logo

O Diário Logo

3 óleos essenciais que ajudam a melhorar o foco e a concentração

A aromaterapia utiliza óleos essenciais obtidos de plantas para promover o bem-estar físico e emocional. Esta prática é amplamente adotada como uma forma de tratamento complementar, sendo considerada segura quando utilizada corretamente. A International Federation of Aromatherapists (IFA) define a aromaterapia como uma “antiga arte e ciência de misturar óleos essenciais extraídos de plantas e […]

28 de junho de 2024

Reportagem de: Edicase Conteúdo

A aromaterapia utiliza óleos essenciais obtidos de plantas para promover o bem-estar físico e emocional. Esta prática é amplamente adotada como uma forma de tratamento complementar, sendo considerada segura quando utilizada corretamente. A International Federation of Aromatherapists (IFA) define a aromaterapia como uma “antiga arte e ciência de misturar óleos essenciais extraídos de plantas e outros compostos vegetais para equilibrar, harmonizar e promover a saúde do corpo e da mente”.

O Brasil adota a definição da Organização Mundial de Saúde (OMS) e reconhece a aromaterapia como um recurso terapêutico legítimo, porém assistencial. A técnica é listada nas Práticas Integrativas e Complementares utilizadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS), auxiliando no tratamento de ansiedade, depressão, insônia, enxaqueca, alergia, entre outras condições.

Além disso, o uso do óleo essencial também pode ajudar a melhorar o foco e a concentração. Entretanto, mesmo se tratando de uma opção de tratamento natural, é necessário cuidado. “Antes de fazer uso de algum óleo ou extrato, é preciso saber a causa da sua dificuldade de foco e concentração. Os motivos podem envolver desde fadiga, estresse e ansiedade até outras condições que exigem uma avaliação mais aprofundada. Daí a importância de recorrer à ajuda de um profissional de saúde”, esclarece Paula Molari Abdo, farmacêutica pela Universidade de São Paulo (USP) e diretora técnica da Formularium.

Óleos atuam no cérebro como estimulantes

Segundo a especialista, que é membro da Associação Brasileira de Cosmetologia (ABC) e da Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais (ANFARMAG), os óleos podem ser utilizados pela aplicação na pele, por meio do uso de aromatizadores e de difusores ou pela aspiração do seu cheiro.

“Quando inalados, o olfato reconhece as moléculas dos óleos essenciais através de seus receptores, provocando alterações positivas associadas ao sistema límbico, região do cérebro responsável por emoções e comportamentos sociais”, afirma.

Vidro com óleo de alecrim, e ao lado ramos de alecrim
O óleo de alecrim tem propriedades estimulantes para o cérebro (Imagem: Guiderom | Shutterstock)

Óleos para melhorar o foco e a concentração

Após identificar as causas, fica mais fácil saber quais extratos naturais são mais adequados à sua situação. “Há óleos que aliviam dores, outros que provocam sensação anestésica temporária, e outros que ajudam a relaxar e organizar a mente, otimizando a atenção, o foco e, consequentemente, a produtividade”.

Para este último caso, a farmacêutica indica 3 óleos essenciais que estimulam sua capacidade cognitiva:

1. Óleo de alecrim

No extenso catálogo dos óleos essenciais – há mais de 400 extratos em uso atualmente –, o óleo essencial de alecrim (Rosmarinus officinalis) ainda é um dos mais recentemente explorados. No entanto, seu desempenho já vem sendo reconhecido.

De acordo com uma pesquisa publicada no Scientia Pharmaceutica, o óleo de alecrim tem uma ação pronunciada no cérebro e no sistema nervoso central (SNC), sendo uma ferramenta importante para “esvaziar a mente”. O mesmo estudo também aponta que o extrato tem propriedades estimulantes para o cérebro, aumentando a capacidade de raciocínio e memorização.

2. Óleo de capim-limão

O capim-limão (Cymbopogon citratus) é uma planta utilizada com abrangência no sudeste asiático, sobretudo na Tailândia, seja para cozinhar, seja para fins medicinais. Ela possui propriedades anti-inflamatórias, antinociceptivas, que diminuem a percepção da dor, e antioxidantes, reconhecidos por proteger o cérebro contra danos oxidativos, que contribuem para o declínio cognitivo.

Para examinar os impactos da exposição do óleo essencial de capim-limão em regiões específicas do cérebro, um estudo publicado no International Journal For Multidisciplinary Research constatou que, ao inalarem o óleo essencial de capim-limão, as participantes tiveram um aumento nas funções das áreas pré-frontal, frontal e occipital. Ou seja, as mulheres melhoraram seu desempenho cognitivo em relação aos domínios da atenção e da qualidade da memória, enquanto os índices de calma e alerta da mente também apresentaram melhorias significativas.

3. Óleo de lavanda

Um dos mais usados para desequilíbrios emocionais, o óleo de lavanda pode reduzir os níveis de cortisol, beneficiando o sistema nervoso autônomo e aliviando sintomas de ansiedade generalizada, estresse crônico, irritabilidade e inquietação. Segundo Paula Molari Abdo, um dos seus diferenciais é a alteração química dos neurotransmissores cerebrais, sem causar os comuns efeitos colaterais dos medicamentos sintéticos alopáticos, como a dependência ou a síndrome de abstinência.

“Vale lembrar que o acompanhamento médico é indispensável, não sendo possível utilizar somente os óleos essenciais para o tratamento de doenças ou sintomas. Contudo, em situações em que não há algo patológico, os óleos essenciais são alternativas eficazes na intervenção dos desequilíbrios emocionais”, finaliza a farmacêutica Paula Molari Abdo.

Por Flávia Ghiurghi

Veja Também