Diário Logo

O Diário Logo

5 destinos para conhecer a diversidade do Paraná

O Paraná oferece uma rica diversidade de destinos que cativam todo tipo de viajante. De paisagens naturais impressionantes a ricas tradições culturais, este estado do sul do país promove uma experiência turística abrangente e enriquecedora. Embora Foz do Iguaçu seja frequentemente o cartão-postal paranaense mais reconhecido, seu apelo universal merece um capítulo à parte. Por […]

27 de junho de 2024

Reportagem de: Edicase Conteúdo

O Paraná oferece uma rica diversidade de destinos que cativam todo tipo de viajante. De paisagens naturais impressionantes a ricas tradições culturais, este estado do sul do país promove uma experiência turística abrangente e enriquecedora.

Embora Foz do Iguaçu seja frequentemente o cartão-postal paranaense mais reconhecido, seu apelo universal merece um capítulo à parte. Por isso, desta vez focamos outros tesouros igualmente fascinantes, que mostram a amplitude e variedade do estado.

O Paraná se destaca não só pela sua natureza exuberante, que inclui desde a Mata Atlântica preservada até parques estaduais com formações rochosas únicas, mas também por sua infraestrutura para o turismo.

As cidades e regiões aqui destacadas oferecem serviços completos para o viajante, desde hotéis e restaurantes que exaltam a gastronomia local até passeios organizados que facilitam o acesso às principais atrações.

Esta seleção de cinco destinos no Paraná é uma porta de entrada para conhecer a riqueza cultural, histórica e natural do estado. Confira:

1. Curitiba

Curitiba é uma cidade que se destaca não só por sua beleza e qualidade de vida, mas também por ser um dos principais destinos turísticos do sul do Brasil. Com uma infinidade de parques, avenidas arborizadas, e uma vibrante cena cultural, a capital paranaense consegue ser ao mesmo tempo moderna e acolhedora. Alguns dos principais atrativos turísticos que destacam suas belezas naturais, patrimônios culturais e a rica gastronomia são:

a) Parque Barigui

Um dos parques mais amados pelos curitibanos e turistas é o Parque Barigui. Localizado no coração da cidade, é um espaço perfeito para atividades ao ar livre como caminhadas, corridas e piqueniques. Recentemente, a região próxima ao parque ganhou um novo atrativo gastronômico, o Fish*me, um bar especializado em peixes e frutos do mar, oferecendo uma ótima opção para quem deseja desfrutar de uma refeição fresca e saborosa após um dia de lazer no parque.

b) Jardim Botânico

O Jardim Botânico é um dos cartões-postais mais conhecidos de Curitiba. Inaugurado em 1991, este espaço não só encanta pela sua estufa em estilo art-nouveau, como também serve como centro de pesquisa em botânica. Com uma vasta área verde, trilhas e uma fonte de água, o espaço é um exemplo da dedicação da cidade à sustentabilidade e conservação ambiental.

c) Bosque Alemão

O Bosque Alemão é um tributo à rica tradição alemã da região. Este espaço oferece uma imersão cultural por meio de sua arquitetura e trilhas temáticas. A réplica de uma antiga igreja de madeira, a Torre dos Filósofos e a trilha João e Maria, que conta a história do famoso conto dos irmãos Grimm, são algumas das atrações que celebram a influência alemã na cidade.

d) Parque Tanguá

O local oferece a oportunidade de observar o pôr do sol na cidade de Curitiba. Um mirante de 65 metros, situado no topo de uma antiga pedreira, permite que os visitantes visualizem os 235 mil metros quadrados do parque, que inclui uma área verde extensa, jardins e uma cascata. Há também uma lanchonete disponível para atender aos visitantes.

e) Ópera de Arame e Parque das Pedreiras

A Ópera de Arame, com sua estrutura tubular e teto transparente, é um símbolo da arquitetura moderna de Curitiba. Inaugurada em 1992, ela está situada no Parque das Pedreiras, um local que combina arte, cultura e natureza. Além da Ópera, o parque abriga o Espaço Cultural Paulo Leminski, famoso pela encenação anual da Paixão de Cristo. Ali há, ainda, o restaurante Ópera Arte, que integra o cenário oferecendo um espaço ideal para uma refeição durante a visita ou mesmo um evento corporativo.

f) Torre Panorâmica

Para aqueles que querem captar a extensão total da cidade, a Torre Panorâmica oferece uma vista inigualável. Com quase 110 metros de altura, é possível obter uma visão panorâmica de 360 graus de Curitiba, proporcionando fotos espetaculares e uma nova perspectiva da capital paranaense.

g) Memorial Ucraniano no Parque Tingui

O Memorial Ucraniano, situado no Parque Tingui, é uma homenagem aos imigrantes ucranianos do século 19. Este espaço cultural abriga uma réplica da antiga capela de São Miguel, além de uma exposição permanente de pêssankas, ovos pintados à mão com designs tradicionais ucranianos.

h) Museu Oscar Niemeyer

Conhecido localmente como MON, o Museu Oscar Niemeyer é um dos maiores museus de arte da América Latina. Com um acervo que inclui mais de 2.200 obras, ele é um centro de cultura e arte, oferecendo exposições que vão do clássico ao contemporâneo.

i) Linha Turismo

Para os turistas que desejam explorar a cidade de forma prática e abrangente, a Linha Turismo é ideal. Este serviço de ônibus double decker percorre os principais pontos turísticos de Curitiba, permitindo que os visitantes escolham os locais que desejam explorar com a flexibilidade de embarcar e desembarcar a qualquer momento.

Vagões de trem coloridos com trajeto de Curitiba a Morretes
O percurso de Curitiba a Morretes já foi destacado como um dos dez passeios mais bonitos do mundo (Imagem: cabuscaa | Shutterstock)

2. Morretes

Morretes é um destino que se destaca pela sua beleza natural e histórica no Paraná. Situada entre a serra e o litoral, a cidade tem uma ligação única com o passado e a natureza. Por isso, oferece aos visitantes uma variedade de experiências. Fundada em 1733 pelos jesuítas, está às margens da Baía de Paranaguá, e abriga construções históricas bem conservadas, que hoje funcionam como museus e espaços culturais.

Além disso, é famosa também por ser ponto final de um dos trajetos de trem mais conhecidos do país, que sai da capital e percorre paisagens cênicas de Mata Atlântica preservada. Situada a apenas 70 km de Curitiba, Morretes tem fácil acesso, sendo acessada pela BR 277, pela Estrada da Graciosa ou pelo já citado trem.

Passeio de trem

O passeio de trem de Curitiba a Morretes é feito pela Serra Verde Express. Este percurso já foi destacado como um dos dez passeios de trem mais bonitos do mundo. E não à toa. Afinal, a viagem se desenrola por uma histórica ferrovia considerada uma das cem obras de engenharia mais significativas do Brasil. Atravessando a Serra do Mar e a maior extensão preservada de Mata Atlântica do planeta.

Durante as aproximadamente quatro horas, os passageiros são brindados com vistas deslumbrantes de túneis, pontes, picos e montanhas, incluindo atrações como o conjunto montanhoso do Marumbi, a Cascata Véu da Noiva e a impressionante Ponte São João, com seu vão livre de 110 metros de altura.

O itinerário oferece partida de Curitiba às 8h30 de trem e às 9h30 de litorina, ou de Morretes às 15h, proporcionando aos viajantes a experiência única do passeio do Pôr do Sol em direção à capital paranaense. Com opções de pacotes que incluem almoço típico em Morretes, city tour em Antonina e transfer, a experiência é enriquecedora não só pela beleza natural do trajeto, mas também pela imersão cultural.

Os 25 vagões, capazes de acomodar até 1.200 passageiros, cruzam a ferrovia centenária com uma velocidade máxima de 30 km/h, permitindo que todos desfrutem da paisagem exuberante.

Gastronomia

Ao final do passeio de trem, além de fazer um roteiro pelo centrinho da cidade, que conta com construções charmosas, ruas de pedra, feirinhas de artesanato e lojas, é possível provar um patrimônio dessa região.

Isso porque Morretes é um dos melhores lugares para provar o barreado, prato típico da região litorânea do Paraná. Este prato é conhecido por sua longa tradição e preparo cuidadoso, envolvendo carne bovina cozida lentamente em uma panela fechada, acompanhada por farinha de mandioca e banana-da-terra.

No centro de Morretes, os visitantes encontram diversas opções de restaurantes que servem o barreado. No Madalozo, inclusive, há uma espécie de rodízio que inclui saladas, barreado, arroz, banana empanada, frutos do mar e peixe empanados. Tudo à vontade!

Famosa bala de banana

Além disso, a região do litoral paranaense, em especial as cidades de Antonina e Morretes, ganhou fama pela produção de bala de banana. Não à toa, o produto foi considerado Identidade Geográfica. Ou seja, é um sinal constituído por nome geográfico que indica a origem geográfica de um produto ou serviço.

Portanto, os visitantes que fazem o passeio de trem, ou simplesmente tiram um dia para visitar Morretes, podem aproveitar para visitar uma fábrica do doce. Além disso, a feirinha da cidade conta com diversas versões da bala de banana, incluindo gengibre, pimenta, canela e outros complementos.

Passeio de gôndola no rio Nhundiaquara

O rio Nhundiaquara passa bem no centro histórico da cidade, compondo o cenário bucólico que lembra uma novela das 6 de antigamente. Mas, além de completar a paisagem natural de Morretes, é também um atrativo para moradores e turistas. Ali, além de se refrescar em passeios de caiaque e “bolha humana”, os visitantes podem fazer um passeio de gôndola. O tour, além de ser uma opção diferente de lazer para a família, dá uma outra perspectiva do casario histórico de Morretes.

Ekôa Park

O Ekôa Park é um refúgio para os amantes do turismo ecológico, proporcionando uma série de experiências imersivas e interativas. Ali, os visitantes podem fazer diversas atividades de aventura, como arvorismo, tirolesa, bolha humana e voos cativos de balão, assim como explorar trilhas interativas que variam em nível de dificuldade, como a Trilha das Aves, da Mata e do Peabiru. Já a Alameda das Artes se destaca por suas instalações artísticas que desafiam os visitantes a refletir sobre sua conexão com a natureza, o impacto da tecnologia em suas vidas e o valor dos sonhos e da imaginação.

Hisgeopar

Por fim, para quem quer entender sobre a história e geografia do Paraná em um passeio lúdico e interessante, o Parque Temático Hisgeopar é parada obrigatória. A principal atração do lugar é uma extensa maquete dinâmica que ilustra a evolução do estado.

Ali estão desde as primeiras comunidades indígenas até os modernos desenvolvimentos urbanos e industriais, inclusive a Usina Binacional de Itaipu. Além disso, o tour comandado pelo fundador do parque, Rudi Haupt, conta com histórias recheadas de pontos que atraem a atenção do visitante de forma despretensiosa.

Formação rochosa "Taça" no Parque Estadual de Vila Velha, Paraná, destacando-se contra um céu azul
Com mais de 3 mil hectares, o Parque Estadual de Vila Velha é um dos principais pontos turísticos de Ponta Grossa (Imagem: Celso Margraf | Shutterstock)

3. Ponta Grossa

Ponta Grossa, por sua vez, está situada no Segundo Planalto Paranaense, na região dos Campos Gerais, destacando-se por sua posição geográfica que facilita o acesso a todas as regiões do estado. A cidade é conhecida pelo equilíbrio entre crescimento urbano e conservação ambiental.

Com raízes profundas no tropeirismo, sua história é refletida na arquitetura e nos marcos das antigas estradas de ferro. O destino oferece diversas atrações turísticas, destacando-se o Parque Estadual de Vila Velha, o Buraco do Padre e os Alagados, além de eventos culturais como a MunchenFest.

Parque Estadual de Vila Velha

Criado em 1953, o Parque Estadual de Vila Velha é um dos principais pontos turísticos da cidade. Ocupando uma área superior a 3 mil hectares, o parque é famoso por suas impressionantes formações de arenito, como “A Taça”. Além dos arenitos, as Furnas e a Lagoa Dourada são outras atrações do local. As Furnas são grandes poços cercados de vegetação exuberante e águas subterrâneas, enquanto a Lagoa Dourada é conhecida por sua coloração que reflete a luz do sol de maneira espetacular.

Buraco do Padre

O Buraco do Padre é uma formação geológica que se assemelha a um anfiteatro subterrâneo, com uma cascata de 30 metros de altura proveniente do Rio Quebra Perna. Acessível por uma trilha de 1 km, o local é equipado para permitir a visitação de pessoas com mobilidade reduzida, oferecendo a todos a oportunidade de apreciar esta maravilha natural.

Alagados

O lago artificial dos Alagados foi formado na década de 40 pelo represamento do Rio Pitangui. Situado a 20 km de Ponta Grossa, é um dos principais responsáveis pelo abastecimento de água da cidade. O local oferece diversas atividades de lazer, como remo, windsurf, pesca e natação, tornando-se um excelente destino para os amantes da natureza.

Igreja Matriz – Catedral de Santana

Localizada na região central de Ponta Grossa, a Catedral de Santana é um marco da arquitetura religiosa local. Iniciada em 1978, substituiu uma construção anterior e hoje se destaca por seus vitrais e design arquitetônico que proporcionam uma visão privilegiada da cidade.

Colônia Witmarsum

A Colônia Witmarsum está, na verdade, na cidade de Palmeira, na região dos Campos Gerais, mas é um passeio costumeiro de quem viaja por Ponta Grossa. A colônia alemã menonita conta com cafés coloniais, restaurantes, pousadas, artesanato, cervejarias, passeios de cavalos e festas típicas.

Imagem aérea da Praia Brava, em Matinhos
Matinhos tem praias que encantam os surfistas devido às ondas propícias ao esporte (Imagem: Viagens e Caminhos | Shutterstock)

4. Matinhos

Matinhos é uma cidade localizada na costa atlântica do Paraná, aproximadamente 90 quilômetros distante de Curitiba. Conhecida por suas praias e natureza, o município é um dos destinos preferidos para quem busca descanso e contato com a natureza no litoral paranaense.

O clima de Matinhos é quente durante o verão, com temperaturas médias de 28 graus, e noites mais amenas. A cidade é formada principalmente por 15 balneários, sendo o mais conhecido e visitado o balneário de Caiobá, que é dividido em duas praias principais: a Praia Brava e a Praia Mansa.

A Praia Brava é conhecida por ser um ponto de encontro de surfistas, devido às suas ondas propícias para a prática do esporte, e por sediar campeonatos de surf. Já a Praia Mansa é caracterizada por suas águas calmas e pouco profundas, ideal para famílias e banhistas que buscam um ambiente mais tranquilo. Caiobá também oferece uma excelente infraestrutura de hospedagem, restaurantes e comércio.

Além de Caiobá, Matinhos possui outras praias notáveis como a Praia dos Corais, Jussara, Gaivotas, Guacyara, Currais, Solimar e Marajó. Estas faixas de areia são conhecidas pela sua beleza natural e são menos movimentadas, proporcionando um ambiente ideal para quem busca tranquilidade e contato mais próximo com a natureza.

Atrativos naturais

O Parque Estadual Rio da Onça e o Parque Nacional de Saint-Hilaire/Lange são dois importantes pontos de conservação ambiental em Matinhos. Ambos são ideais para atividades de ecoturismo e montanhismo, oferecendo trilhas, pontes elevadas, mirantes naturais, cachoeiras e a oportunidade de observar a fauna e flora locais.

Ilha das Tartarugas

Conhecida também como Ilha do Farol, este pequeno paraíso pode ser acessado durante a maré baixa. A ilha oferece trilhas que permitem aos visitantes explorarem sua extensão e desfrutar de vistas espetaculares da região.

Pico de Matinhos

O Pico de Matinhos é outro ponto de interesse, especialmente para quem deseja contemplar a paisagem local. O Mirante do Pico, acessível através de trilhas que cortam a região, é um local procurado tanto por quem gosta de caminhadas quanto por surfistas, devido às condições favoráveis das ondas que se formam nas proximidades.

Patrimônio Histórico

A Igrejinha de São Pedro, construída entre 1938 e 1944, representa um dos primeiros edifícios históricos de Matinhos. Foi tombada como Patrimônio Histórico pela Câmara Municipal, destacando-se como um marco histórico e cultural na cidade.

Farol das Conchas na Ilha do Mel ao entardecer, com o sol se pondo e nuvens no horizonte, iluminando a paisagem costeira
O Farol das Conchas, na Ilha do Mel, é um dos destaques do litoral paranaense (Imagem: gonthiagon | Shutterstock)

5. Ilha do Mel

A Ilha do Mel é outro destaque do litoral paranaense. A ilha, caracterizada pela presença predominante de ecossistemas de restinga e Floresta Atlântica, constitui um dos principais destinos de ecoturismo do Brasil. Devido à sua importância ecológica, 93% da superfície da ilha é protegida por Unidades de Conservação, incluindo uma Estação Ecológica e um Parque Estadual. Estas áreas visam à proteção integral da biodiversidade local, que inclui manguezais, restingas, brejos litorâneos e caxetais.

Os principais pontos de interesse na Ilha do Mel incluem a Gruta das Encantadas, o Farol das Conchas e a Fortaleza Nossa Senhora dos Prazeres. Cada um destes locais oferece uma experiência única para os visitantes, desde a exploração de fenômenos naturais até a apreciação de construções históricas que datam do Período Colonial.

Gruta das Encantadas

Esta é uma formação rochosa localizada na parte sul da ilha. A gruta é acessível por meio de uma passarela que leva os visitantes até sua entrada, facilitando o acesso à beleza natural do local. A formação da gruta resulta da ação erosiva do mar sobre o rochedo, criando uma fenda impressionante.

Farol das Conchas

Construído em 1872, está situado no topo do Morro das Conchas. Para alcançar o farol, os visitantes devem subir uma escadaria de 150 degraus. Uma vez no topo, é possível obter uma visão panorâmica da ilha, oferecendo um excelente ponto para observação da vasta extensão do mar e da vegetação circundante.

Fortaleza de Nossa Senhora dos Prazeres

Edificada entre 1767 e 1769, foi projetada para proteger a Baía de Paranaguá. Localizada na Praia da Fortaleza, esta estrutura histórica é um patrimônio tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. A fortaleza é acessível por meio de uma trilha que parte do trapiche de Brasília, estendendo-se por aproximadamente quatro quilômetros.

A visitação à Ilha do Mel é aberta a todos os interessados. O acesso à ilha é feito exclusivamente por barco, com opções de embarque em Pontal do Sul ou Paranaguá. A travessia a partir de Pontal do Sul leva cerca de 30 minutos; partindo de Paranaguá, o tempo estimado é de uma hora e meia.

Uma vez na ilha, a circulação é permitida apenas a pé ou de bicicleta, respeitando as normas de preservação do ambiente. É importante notar que, por ser uma área de conservação, a Ilha do Mel possui regulamentos específicos para a visitação. Estas regras estão disponíveis na página oficial da ilha e incluem orientações sobre a prevenção da poluição, a interação com a fauna local, o uso das trilhas e as normas para acampamento.

Para aqueles que planejam visitar a Ilha do Mel, é recomendável a compra antecipada das passagens, que podem ser adquiridas pela internet por meio de serviços regulares de barcos ou táxis náuticos autorizados. Ali há também algumas pousadas e restaurantes que completam o roteiro de um dia ou de um fim de semana prolongado.

Por Eliria Buso – revista Qual Viagem

Veja Também