Diário Logo

O Diário Logo

Aprenda a ler os rótulos dos alimentos

Se você deseja se alimentar de forma mais saudável, é importante ter atenção às escolhas feitas no supermercado. Para não cair em armadilhas, precisa aprender a olhar alguns detalhes nos rótulos. Afinal, eles não existem apenas para deixar o produto mais atrativo. A doutora em Engenharia Química e professora da UniSociesc (instituição privada de ensino […]

24 de maio de 2024

Reportagem de: Edicase Conteúdo

Se você deseja se alimentar de forma mais saudável, é importante ter atenção às escolhas feitas no supermercado. Para não cair em armadilhas, precisa aprender a olhar alguns detalhes nos rótulos. Afinal, eles não existem apenas para deixar o produto mais atrativo.

A doutora em Engenharia Química e professora da UniSociesc (instituição privada de ensino superior) Janaina Karine Andreazza, com formação em Engenharia de Alimentos, alerta para a importância desse hábito. Segundo ela, produtos vendidos como “saudáveis” podem conter uma grande quantidade de conservantes, açúcares e gorduras, e o consumidor leva para casa acreditando que fez uma boa compra.

“É preciso criar o hábito de escolher lendo os ingredientes do produto, saber a quantidade de gordura, de proteína, de açúcar, de vitaminas que há dentro da embalagem. Muitas vezes você compra um iogurte, por exemplo, achando que vai levar apenas leite e fermento. Mas, em alguns casos, tem muito mais lá dentro daquela embalagem”, exemplifica.

Mudanças nos rótulos estabelecidas pela Anvisa

Recentemente, entraram em vigor algumas mudanças definidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que vão facilitar a vida de quem está em busca de mais saúde no prato. Essas novas regras da Anvisa ajudarão, mas, ainda assim, a mudança depende da boa vontade de dedicar um pouco mais de tempo e atenção na hora da compra.

A principal mudança é que os produtos com altas doses de açúcares, gordura saturada e sódio passaram a ter a inserção do símbolo de lupa na parte superior frontal do rótulo. O objetivo é deixar claro para o consumidor que o alto teor desse nutriente pode ser perigoso para a saúde.

Para a especialista, esses ingredientes merecem mesmo essa visibilidade. Afinal, estudos registram ligação entre o consumo rotineiro e o maior risco de obesidade, diabetes, problemas cardiovasculares e outras doenças crônicas. Outras alterações importantes são a inclusão de mais informações nas embalagens e a padronização da cor da tabela nutricional, que passará a ter as letras sempre pretas e o fundo sempre branco para facilitar a leitura.

Alimentos que contêm açúcar refinado, como bolo, balas, cookies, refrigerante etc.
Alimentos processados não precisam ser excluídos da lista de compras, mas consumidos com moderação (Imagem: Oleksandra Naumenko | Shutterstock)

Regras gerais para os produtos processados

Apesar do alerta nas embalagens, não há necessidade de demonizar alimentos ultraprocessados. É importante que o consumidor saiba o que está comprando. “Não acho necessário abolir alimentos ultraprocessados da lista de compras. Só que é importante que sejam consumidos com bastante moderação, de maneira inteligente. Como tudo na vida, o que vale é o equilíbrio”, avalia. Da mesma forma, Janaina Karine Andreazza acredita que seja válido escolher produtos com valores de vitamina, proteína e carboidratos adequados.

A especialista destaca, no entanto, que um produto sem o alerta da lupa na embalagem não é necessariamente saudável. Muitas empresas ainda não se adequaram. O prazo para que todas estejam cumprindo a nova regra termina em outubro de 2025.

Cuidado com as pegadinhas

Na hora da compra, normalmente vale a regra da elegância: menos é mais. Quanto menos ingredientes adicionados, mais natural é o alimento. Quando a lista é muito extensa, o consumidor pode se enganar. “Algumas vezes, ele lê e não encontra a palavra ‘açúcar’, por exemplo. Mas é que o açúcar está ‘disfarçado’. Pode estar como maltodextrina ou em xaropes, como o de milho. Tudo é açúcar. Não tem saída. É preciso observar e pesquisar, se necessário”, ensina a profissional.

Uma dica valiosa é: os itens que aparecem primeiro na descrição de ingredientes são os que têm em maior quantidade no produto. Prefira, então, aqueles que são pobres em gordura, sódio e açúcar, mas ricos em fibras.

Zero açúcar e zero lactose

Quem procura alimento com zero açúcar ou zero lactose também precisa abrir o olho. Janaina Karine Andreazza reforça que a legislação brasileira permite certa quantidade de adição desses ingredientes. Às vezes, um rótulo marca “zero açúcar”, mas não é bem assim.

“Tem que prestar atenção, porque o rótulo sempre traz a unidade de medida. Por exemplo, se o ingrediente tiver 0,001 grama, a indústria pode arredondar para zero. A lei permite. Então, o consumidor compra achando que não tem açúcar, mas tem. Pouco, mas tem”, diz.

Já em relação à lactose, existe uma outra regra: se o alimento tiver 100 mg de lactose por mililitro, pode considerar que é zero lactose. Apenas o glúten tem regra mais severa, pois interfere diretamente em doenças autoimunes. Então, se tiver apenas traços de glúten, precisa estar escrito.

Mudança que acontece aos poucos

Mas será que as mudanças farão diferença na escolha do alimento? A professora da UniSociesc acredita que sim. Os brasileiros estão se adaptando aos poucos e criando o hábito de ler e entender as embalagens. Uma mudança que pode levar tempo, mas que fará diferença para a saúde e o bem-estar. “Aos poucos, as pessoas vão entender que é nos rótulos que encontramos as informações necessárias para definir se a comida é ou não adequada para o nosso consumo, para a nossa saúde”, finaliza.

Por Genara Rigotti

Veja Também