Diário Logo

O Diário Logo

Veja as consequências do bullying no ambiente de trabalho

O bullying é uma realidade alarmante nos ambientes de trabalho contemporâneos, cujas consequências vão muito além do impacto individual. Caracterizado por comportamentos persistentes que visam humilhar, intimidar ou prejudicar um colega, ele pode assumir diversas formas, desde assédio verbal e psicológico até sabotagem profissional. Neste contexto, compreender suas consequências e adotar medidas preventivas torna-se crucial […]

14 de junho de 2024

Reportagem de: Edicase Conteúdo

O bullying é uma realidade alarmante nos ambientes de trabalho contemporâneos, cujas consequências vão muito além do impacto individual. Caracterizado por comportamentos persistentes que visam humilhar, intimidar ou prejudicar um colega, ele pode assumir diversas formas, desde assédio verbal e psicológico até sabotagem profissional.

Neste contexto, compreender suas consequências e adotar medidas preventivas torna-se crucial para mitigar seus impactos. “O bullying não apenas afeta a vítima, mas também toda a organização, reduzindo a produtividade, aumentando o absenteísmo e criando um clima de medo e desconfiança”, explica a psicóloga Soraya Lopes.

Sinais e consequências do bullying no trabalho

Os sinais de que um funcionário pode estar sofrendo bullying incluem mudanças de comportamento, redução na produtividade, afastamentos frequentes e sintomas físicos como dores de cabeça e insônia. Soraya Lopes destaca que os impactos podem ser profundos, levando a depressão, ansiedade, estresse crônico e até síndrome de burnout.

Além dos impactos individuais, o bullying no ambiente de trabalho pode comprometer a eficácia das equipes e a reputação da empresa. Um ambiente tóxico desencoraja a colaboração e a comunicação aberta, elementos essenciais para a inovação e resolução de problemas.

“Quando os funcionários temem represálias ou humilhação, a confiança é corroída e a moral da equipe cai significativamente”, observa Soraya Lopes. Essa atmosfera negativa pode levar a uma alta rotatividade de funcionários, o que aumenta os custos com recrutamento e treinamento de novos colaboradores.

Mulher e homem apertando as mãos
As empresas devem criar um ambiente seguro e encorajador para que os funcionários possam denunciar e receber apoio (Imagem: Mangostar | Shutterstock)

Combatendo o bullying

Para combater o bullying, Soraya Lopes sugere a implementação de políticas claras, treinamentos regulares, canais de denúncia e apoio psicológico. “É essencial que as empresas estabeleçam um ambiente onde os funcionários se sintam seguros para denunciar e buscar ajuda”, diz a psicóloga.

A profissional também enfatiza a importância da liderança na criação de um ambiente de trabalho saudável. “Os líderes têm um papel crucial em modelar comportamentos respeitosos e em estabelecer uma cultura de zero tolerância ao bullying”, afirma. Ela sugere que os gestores recebam treinamento específico para identificar e lidar com situações de bullying, promovendo um ambiente inclusivo e solidário.

Além disso, incentiva a adoção de programas de bem-estar que abordem a saúde mental, oferecendo recursos como sessões de terapia e workshops sobre resiliência e gestão de estresse. “Ao investir no bem-estar dos funcionários, as empresas não apenas previnem o bullying, mas também cultivam um ambiente onde todos podem prosperar”, conclui a psicóloga.

Por Elisangela Evangelista

Veja Também