Diário Logo

O Diário Logo

Segunda rodada da Taça das Favelas do Alto Tietê movimenta o futebol de comunidades

Acontece neste final de semana a segunda rodada da inédita Taça das Favelas do Alto Tietê, dando continuidade aos jogos do campeonato masculino no Campo do Brasil, em Itaquaquecetuba. Com ‘uma pegada’ social, a competição envolve 5 mil jovens de oito cidades da região. Ao todo, agrega 44 times, funcionando como uma ‘vitrine’ para adolescentes […]

22 de abril de 2023

Reportagem de: O Diário

Acontece neste final de semana a segunda rodada da inédita Taça das Favelas do Alto Tietê, dando continuidade aos jogos do campeonato masculino no Campo do Brasil, em Itaquaquecetuba. Com ‘uma pegada’ social, a competição envolve 5 mil jovens de oito cidades da região. Ao todo, agrega 44 times, funcionando como uma ‘vitrine’ para adolescentes de comunidades mostrarem seus talentos e uma primeira oportunidade de vivenciar jogos a nível profissional.

As partidas contam com entrada gratuita. A taça é organizada por três representantes regionais da Central Única das Favelas (CUFA) e conta com jogos de equipes masculinas e femininas.

No dia 1° de julho deve acontecer a grande final da competição do Alto Tietê, onde os times vencedores das categorias masculino e feminino terão a oportunidade de participar de uma seletiva com as equipes vencedoras das regiões de Guarulhos, Itapecerica da Serra, Baixada Santista e Grande ABC. Os finalistas de cada categoria conquistarão uma vaga na edição estadual da Taça das Favelas, dando a chance de mostrarem seu talento em uma competição de nível mais alto.

Segundo conta Geraldo Augusto, mais conhecido como Servo GDS, presidente da Cufa Alto Tietê, a O Diário, a primeira edição começou forte, possibilitando a continuidade nos anos seguintes. “Já estamos na pré-preparação para a segunda edição”, conta. 

Ele lembra que o objetivo é dar oportunidade para os jovens, com um campeonato “a nível profissional, com tudo que tem direito”. “Este sempre foi nosso objetivo”, destaca ele. 

“Sabemos que o esporte tem a capacidade de tirar as pessoas das ruas. Nessa fase da adolescência, de desenvolvimento, o apoio é muito importante. Essa é uma oportunidade para jovens que não teriam recursos participarem de campeonatos assim”, argumenta Servo.
 Para ele, a Taça das Favelas veio para ficar no Alto Tietê. “A abertura contou com cerca de mil torcedores e diversas autoridades”, cita. 
Uma ideia para o ano que vem é manter o formato, porém, com mais cidades que fazem parte da região, como Biritiba Mirim. 
A competição masculina teve início no último dia 16, com a abertura no estádio Francisco Marques Figueira, popularmente conhecido como Suzanão, em Suzano.

As próximas rodadas vão acontecer em Itaquaquecetuba, Ferraz de Vasconcelos e Suzano. Os organizadores ainda estão em fase de diálogo com Mogi para a utilização do estádio Nogueirão, na Vila Industrial. O equipamento poderá receber a final da competição.

Quatro jogos movimentaram a primeira rodada. As partidas disputadas foram válidas pelos Grupo G e H do torneio masculino, que conta com equipes das cidades de Mogi das Cruzes e Suzano.

Na primeira partida, a Favela Graziela, de Suzano, empatou em 1 a 1 com a Favela G.I.K., de Mogi das Cruzes. Já o Complexo Palmeiras, de Suzano, venceu por 2 a 1 o Complexo Papelão, também de Suzano. Na terceira partida, a Favela Jundiapeba, de Mogi, goleou por 6 a 0 a Favela Miguel Badra, de Suzano. Por fim, o Complexo Jundiaí, de Mogi, venceu por 1 a 0 a Favela Portela, de Suzano.

A competição tem foco no público mais jovem. Na Taça das Favelas Feminina é permitida a participação de meninas a partir dos 15 anos, enquanto na categoria masculina, os jogadores devem ter entre 14 e 17 anos, com data de nascimento entre 2006 e 2009.
Jogos

As equipes estão prontas para os jogos do final de semana.

No sábado (22), às 12h30, a equipe da Favela Fiorelo enfrenta o Complexo Amanda, ambos de Itaquaquecetuba. Na sequência, às 14h, o Complexo Papelão, de Suzano, encara a Favela do G.I.K., de Mogi das Cruzes. Às 15h30, a Favela Graziela, de Suzano, joga contra o Complexo Palmeiras, também de Suzano.

No domingo (23), a partir das 11h, a Favela do seu Tié, de Itaquaquecetuba, encara a Favela Maragogipe, também da cidade. Às 12h30, a Favela Tropical enfrenta a Favela Miray, ambas de Itaquaquecetuba. Já às 14h, a Favela Jundiapeba, de Mogi, joga contra a Favela Portela, de Suzano. Fechando a rodada, às 15h30, a Favela Jundiaí, de Mogi, pega a Favela Miguel Badra, de Suzano.

O campeonato masculino terá 32 equipes divididas em oito grupos, que se enfrentarão em duas rodadas, com partidas previamente sorteadas, como A1 x A4 e A2 x A3. Os dois melhores de cada grupo avançam para as fases eliminatórias, que incluem oitavas de final, quartas, semifinal e final, para decidir o campeão.

Já os jogos do feminino têm início previsto para o próximo dia 13 de maio. Serão 12 times divididos em quatro chaves, que se enfrentarão em turno único. Os dois primeiros de cada chave se classificarão para o mata-mata, que terá quartas, semifinal e final.

A Taça das Favelas do Alto Tietê é organizada por Dyhogo Arizona, da Cufa Itaquá, Osvaldo Junior Rizzato Rego, da Cufa Arujá, e Geraldo Augusto Rodrigo Mendes, o Servo GDS, da Cufa de Ferraz. 

As cidades representantes são Santa Isabel, Guararema, Arujá, Ferraz de Vasconcelos, Itaquaquecetuba, Poá, Suzano e Mogi das Cruzes.

Veja Também