Diário Logo

O Diário Logo

Câmara de Mogi quer incluir o “Dia da Favela” no calendário do município

Mogi das Cruzes deve comemorar o ‘Dia da Favela” todos os anos em 4 de novembro. A proposta foi apresentada pelo vereador Edson Alexandre Pereira – Edinho do Salão (MDB) e aprovada por unanimidade em sessão da Câmara Municipal realizada nesta terça-feira (16). O projeto de lei que determina a inclusão da data no calendário […]

17 de agosto de 2023

Reportagem de: O Diário

Mogi das Cruzes deve comemorar o ‘Dia da Favela” todos os anos em 4 de novembro. A proposta foi apresentada pelo vereador Edson Alexandre Pereira – Edinho do Salão (MDB) e aprovada por unanimidade em sessão da Câmara Municipal realizada nesta terça-feira (16).

O projeto de lei que determina a inclusão da data no calendário oficial da cidade ainda precisa ser aprovado pelo prefeito Caio Cunha (PODE) para se tornar lei municipal.   

O autor da propositura alega que a data, já celebrada internacionalmente, “será um importante instrumento de luta contra a desigualdade e o preconceito social, bem como, para valorização do histórico de residência e resiliência de um povo que não é carente, é potente e que possui a capacidade de se reinventar e superar as barreiras duras que a vida impõe”.

De acordo com Edinho, é necessário observar a favela como território com extraordinário potencial de crescimento e “composto por pessoas de bem, trabalhadoras, honestas, solidárias, com diversos talentos na área da arte da cultura do esporte e capazes de gerar renda e criar oportunidade”

A vereadora Inês Paz (PSOL) se manifestou durante o debate da matéria para ressaltar a necessidade de presença do poder público através de políticas de habitação, urbanização e moradias dignas para os habitantes das favelas e aproveitou para destacar o trabalho realizado em Mogi das Cruzes pelo coletivo “Das senzalas às favelas”.

Na justificativa do projeto, o autor lembra que o termo favela foi utilizado pela primeira vez em 1900, nos primeiros documentos sobre o Morro da Providência, no Rio de Janeiro, considerado como o primeiro local a receber esta nomenclatura.

No entanto, desde a Guerra de Canudos, ocorrida na Bahia entre 1896 e 1897, um dos morros da cidade se chamava Morro da Favela, devido à planta homônima que havia em abundância na região.

Veja Também