Diário Logo

O Diário Logo

Funcionários da Educação de Mogi se reúnem para discutir revisão do Estatuto do Magistério

Os servidores da Secretaria Municipal de Educação se reuniram na Câmara de Mogi para discutir o Projeto de Lei Complementar (PLC), que propõe a revisão do Estatuto do Magistério, que envolve plano de carreira e remuneração dos profissionais do Magistério Público municipal. A matéria já está em tramitação no Legislativo. O evento, que foi realizado […]

27 de julho de 2023

Reportagem de: O Diário

Os servidores da Secretaria Municipal de Educação se reuniram na Câmara de Mogi para discutir o Projeto de Lei Complementar (PLC), que propõe a revisão do Estatuto do Magistério, que envolve plano de carreira e remuneração dos profissionais do Magistério Público municipal. A matéria já está em tramitação no Legislativo.

O evento, que foi realizado na noite terça-feira (25), foi organizado pela vereadora Inês Paz (PSOL), integrante da Comissão Permanente de Educação da Câmara. Participaram desse encontro a professora da Educação Básica I e integrante da Comissão de Revisão do Estatuto do Magistério, Lilian Machado, o professor aposentado José Elias Alves de Barros, a diretora de escola Simone Machado Rocha, e a coordenadora pedagógica, Angela Salles Alves Silva.

Uma das primeiras a se manifestar foi a professora Lilian Machado, para dizer que o atual PLC não acatou a minuta que a Comissão de Revisão sugeriu. “Ouvimos várias vezes que a Comissão não delibera, mas somente sugere. Estou com sentimento de missão cumprida, mas ao mesmo tempo com sentimento de frustração. Afinal, foram dois anos de estudos engavetados. Essa é a sensação que eu tenho”, afirma.

Simone Machado Rocha, diretora de escola, também disse que não concorda com o teor do PLC n°8/2023. “Acho lamentável o que aconteceu. Foi muito descaso com todo o empenho da Comissão. O PLC já começa mentindo em seu Artigo 4°, quando fala que a valorização dos profissionais da Educação está assegurada. A valorização não existe desde o início da atual gestão”.

O professor José Elias de Barros sugeriu a criação de um Projeto de Lei Complementar paralelo ao que está atualmente em tramitação. “Seria interessante a elaboração de um projeto paralelo a este, que poderia ser apresentado pela vereadora Inês. Com certeza lotaríamos as galerias em apoio a este projeto alternativo”, disse. Em seguida, a assessoria da vereadora explicou que a apresentação dessa espécie de propositura é exclusiva do Executivo.

Os servidores presentes reforçaram que o atual PLC não contempla de forma satisfatória planos de carreira nem aposentadorias condizentes com o real desempenho dos trabalhadores da Educação.

Liliam disse que as modificações são insuficientes. “Esse PLC mantém a carreira bipartida. Desse modo, a gente não tem uma carreira contínua mais. Nossa proposta tinha a carreira em mente. Já a que está em análise não tem mais. A única coisa que foi feita foi tirar a expressão ‘cargo de confiança’, porque era essa expressão que tornava nosso Estatuto inconstitucional. Esse novo Estatuto só muda nomenclaturas: diretor de escola vira diretor de educação básica e supervisor de escola passa a ser supervisor de sistema de ensino”.

Angela Salles Alves Silva, coordenadora pedagógica, disse acreditar que a categoria está completamente sem apoio. “São muitas falas divergentes. Não sabemos nem onde está o certo. Como vamos dar o nosso melhor, ainda que a gente queira? A roda da Educação não está girando. O trabalho na escola não está funcionando. O que dirá sobre os documentos que norteiam as nossas condições de trabalho”.

Ao final dos trabalhos, a vereadora Inês Paz disse que vai estudar as propostas apresentadas pela Comissão de Revisão — que não teriam sido acatadas no PLC n°8/2023 — para elaborar emendas à propositura com base nessas reivindicações.

“A gente poderia colher as sugestões para tentar mudanças no PLC n° 8/2023. Por exemplo: recebi uma sugestão para que já regulamentássemos a questão do coordenador pedagógico dentro da própria propositura. Pensamos em emendas para o coordenador pedagógico, para reduzir a quantidade de escolas para cada supervisor e resolver a questão do vice-diretor. Vamos analisar o estudo da Comissão de Revisão e tentar encaixar neste PLC. Também levarei a situação para a Comissão Permanente de Educação do Legislativo”, informou a parlamentar.

Veja Também