Diário Logo

O Diário Logo

Pedrinho Matador é o maior serial killer do Brasil: veja lista dos principais assassinos

A execução de Pedro Rodrigues Filho, apelidado como Pedrinho Matador, deu destaque à história do assassino que lidera o ranking nacional de serial killers, com 71 vítimas confirmadas e a confissão de mais de 100 homicídios. Ele é o primeiro brasileiro a aparecer entre os criminosos em série de todo o mundo. Ele revelou estar […]

7 de março de 2023

Reportagem de: O Diário

A execução de Pedro Rodrigues Filho, apelidado como Pedrinho Matador, deu destaque à história do assassino que lidera o ranking nacional de serial killers, com 71 vítimas confirmadas e a confissão de mais de 100 homicídios. Ele é o primeiro brasileiro a aparecer entre os criminosos em série de todo o mundo.

Ele revelou estar em Mogi quatro dias antes de ser baleado (assista)

Viveu em cidades como Mogi das Cruzes, onde tinha familiares e conhecidos desde a infância. Em listas consultadas por O Diário, além de Pedrinho, há um outro morador da região do Alto Tietê, e que já está morto: Ronis de Oliveira Bastos, conhecido como Serial Killer de Itaquá, que matou 8 pessoas.

Mineiro que morreu no último domingo (5) em uma rua tranquila do bairro da Ponte Grande após ser alvejado por tiros e ainda ser degolado, era conhecido no meio policial e de estudos criminais e de psiquiatria. Porém, junto ao público, de maneira geral, outros nomes de criminosos sejam mais lembrados como os do Maníaco do Trianon (Fortunato Botton Neto) e de Goiânia (Tiago Henrique Gomes da Rocha), Cabo Bruno (Florisvaldo de Oliveira), o Maníaco do Parque (Francisco de Assis Pereira) e até mesmo Chico Picadinho (Francisco da Costa Rocha) que praticou bem um número menor crimes (dois).

No caso caso, os crimes cometidos entre as décadas de 1960 e 1970, pela crueldade do método usado para matar, permanecem na memória das pessoas.Ele matou duas mulheres, é um psicopata e segue em tratamento psiquiátrico.

Alguns fatos podem explicar esse ‘certo’ anonimato de Pedrinho Matador, ainda que a carreira de influencer, de uns tempos para cá, tenha capitalizado milhares de seguidores, e a crônica policial o mantivesse sempre na mira.

No passado, Pedro Rodrigues Filho – que matou o próprio pai, em uma prisão – permaneceu muito tempo preso, 42 anos, o que fez que com que muitos de suas vítimas fossem detentos, desafetos dele com baixa aderência midiática.

Além de reportagens policiais, livros, inclusive uma biografia recém-lançada e escrita por Isa Toledo; após ter sido libertado, ele se converteu à fé cristã e esteve ativo nas redes sociais (inclusive, o Tik Tok), em lives e vídeos que eram vistos por milhares de pessoas atraídas por sua nova fase, a do Pedrinho Ex-Matador Com Jesus.

Quando mais jovem, impressiona a trajetória de quem começou a matar cedo, aos 14 anos (segundo algumas fontes) e manteve durante anos, uma tatuagem com a inscrição “mato por prazer”, uma marca que já havia sido apagada do corpo com dezenas inscrições e desenhos.

Mais recentemente se dispunha a comentar o noticiário policial, passando mensagens sobre os perigos da vida na criminalidade aos seus seguidores, e também mostrava passos do dia-a-dia, como visitas a amigos.

Homicidas agem por terem transtornos mentais, como a psicopatia ou esquizofrenia, ou ainda movidos por convicções pessoais, dívidas, e, no caso dos maníacos, por transtornos e impulsos sexuais.

Pedrinho Matador dizia, em reportagens, que não era justiceiro, mas afirmava que tirou a vida de muita gente que  “não prestava”.

A maioria das vítimas era detento como ele, que permaneceu em  presídios de segurança máxima, em locais como Araraquara e Taubaté, estava em liberdade desde 2018. Nos tempos recentes, ele havia se convertido à fé cristã e residia no litoral paulista.

O primeiro do Brasil

Em uma das listas mundiais de assassinos com esse perfil, ele é o primeiro brasileiro a aparecer, com 71 casos confirmados, e a estimavia de ter sido o autor de mais de 100 outras mortes – ele costuma praticar crimes durante motins e desavenças no interior dos presídios em que cumpriu mais de quatro décadas de detenção – o prazo máxima de pena, hoje, no Brasil, é de 40 anos (até 2019, era 30 anos).

Os crimes confirmados pela Justiça teriam sido cometidos entre os anos de 1967 a 2003 – ele foi preso pela primeira vez no início dos anos 1970. Em 2007 foi colocado em liberdade, e voltou para a prisão, em 2011, saindo, 7 anos depois, em 2018.

Recente

Um dos casos que ainda está na memória é o do o mineiro Lázaro Barbosa, caçado durante o ano passado, ele se tornou um dos novos nomes desta lista com 7 vítimas fatais e outros 3 feridos.

Dados dispesos

Em algumas das listas consultas, como a da Wikepédia – A Enciclopédia Livre, há nomes de homicidas com até duas vítimas estimadas e conhecidas. E, nela, não está um dos mais recentes deste grupo de crimosos, o de Lázaro Ramos que apavorou a Polícia no ano passado durante uma caçada sangrenta.

A reunião dos dados sobre esses casos é um outro problema – no caso mesmo do Pedrinho Matador, parte das vítimas que ele teria confessado ter tirado a vida, principalmente em prisões, não figura na conta.

No caso dele, à reportagem do G1 de Mogi das Cruzes, o Tribunal de Justiça afirma que o ex-criminoso foi condenado 20 vezes. A soma do total de período que ele permaneceu preso,l segundo o TJ, teria sido 28 anos – porém, em suas entrevistas, ele somava 42 anos vividos atrás das grades.

Veja, na sequência, quem são os maiores serial killers identificados no Brasil pela polícia e estudiosos sobre o tema: 

Na lista, estão assassinos com até 6 vítimas conhecidas:

Pedro Rodrigues Filho, Pedrinho Matador, de Santa Rita do Sapucaí (MG) – 71 vítmas – condenações 128 anos de prisão – morto aos 68 anos em Mogi das Cruzes.

Hélio José Muniz Filho, Helinho Justiceiro, de Camaragibe (PE) – 60 vítimas estimadas (morto).

Florisvaldo de Oliveira, o Cabo Bruno, de Uchoa (SP) – 50 vítimas estimadas (morto)

Francisco das Chagas Rodrigues de Brito, o  Emasculador do Maranhão, de Caxias (MA) (pedófilo)  42 vítimas estimadas (preso)  

Tiago Henrique Gomes da Rocha, Maníaco de Goiânia, de Goiânia, 39 vítimas estimadas (preso)

Ramiro Matildes Siqueira, Ramiro da Cartucheira ou Bandido da Cartucheira, de Jaboticatubas (MG), 15 vítimas estimadas (morto)

Fortunato Botton Neto, Maníaco do Trianon, de São Paulo, 13 vítimas confirmadas (morto)

Orlando Sabino,  Monstro de Capinópolis, de Arapongas, Paraná, psicopata – 12 vítimas confirmadas (morto)

Paulo José Lisboa, Maníaco da Corrente, do Interior de São Paulo e do Espírito Santo, criminoso de ódio contra prostitutas,  11 vítimas confirmadas (morto)

Laerte Patrocínio Orpinelli, Maníaco da Bicicleta, de  Araras (SP), pedófilo,  10 estimadas (morto)

Adriano da Silva,  Monstro de Passo Fundo, Paraná, pedófilo,  10  vitimas estimadas (preso)

José Ramos, Catarina Palse e Carlos Claussner, Assassinos da Rua do Arvoredo, de Porto Alegre, do Rio Grande do Sul, Alemanha e Hungria, respectivamente, canibal, 15 vítimas – os três são os mais antigos da lista, e agiram entre os anos de 1863 e 184 (todos mortos).

Luis Alves Martins Filho, conhecido como Nando, serial killer do Danúbio Azul, local de nascimento incerto, atuação em Campo Grande, 9 vítimas estimativas (preso)

Benedito Moreira de Carvalho Monstro de Guaianases, Estrangulador Loiro, de Tambaú (SP), pedófilo, 8 vítimas estimadas (morto)

Benedito Gomes Rodrigues, o Vampiro de Monte Santo ou o Vampiro da Mogiana, de Três Corações (MG), psicopata, 8 vítimas estimadas (desaparecido).

José Paz Bezerra. Monstro do Morumbi, de Alagoa Nova (AL), 8 vítimas estimadas, psicopata (em liberdade),

Marcelo Costa de Andrade, Vampiro de Niterói. do Rio de Janeiro,  pedófilo, 8 vítimas estimadas (em tratamento psiquiátrico )

Douglas Baptista, Maníaco de São Vicente, da Baixada Santista (SP) 8 vitimas estimadas  (preso).

Jorge Luiz Morais de Oliveira, Monstro da Favela Alba, de São Paulo, psicopata, 8 vítimas estimadas (preso)

Ronis de Oliveira Bastos, serial killer de Itaquaquecetuba, esquizofrênico, 8 vítimas estimadas (morto)

Francisco de Marco Vampiro de Rio Claro, Chico Vidraceiro, local de nascimento incerto, atuou em São Paulo e Minas Gerais, pedófilo 7  vítimas estimadas (morto)

Josemar Pinheiro da Silva e Clóvis Cunha de Almeida, Monstro da Variante, local de nascimento incerto, atuou no Rio de Janeiro, maníaco sexual,  7 vítimas estimadas (localização incerta)

Francisco de Assis Pereira Maníaco do Parque, de Guaraci, São Paulo, maníaco sexual, 7 vítimas estimadas (preso)

Paulo Sérgio Guimarães da Silva Maníaco do Cassino, de Rio Grande, Rio Grande do Sul, maníaco sexual, 7 vítimas estimadas (preso)

Cleber de Souza Carvalho, Pedreiro Assassino, de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, psicopata (preso)

Febrônio Índio do Brasil Filho da Luz, de Jequitinhonha,  Minas Gerais, atuou no Rio de Janeiro, maníaco sexual, psicopata e participante de suposta seita religiosa, 6 vítimas estimadas (morto)

Osvaldo Sônego Empalador de Tatuí. de Tatuí, São Paulo, esquizofrênico,  6 vítimas estimadas (em tratamento psiquiátrico)

José Vicente Matias, Corumbá, de Firminópolis, Goiás. maníaco sexual e canibal, 6 vítimas estimadas (preso)

Adailton Nascimento Neiva Maníaco de Nova Gama,de Nova Gama, Goiás, maníaco sexual, vítimas estimadas 6, (preso)

Adimar Jesus da Silva Maníaco de Luziânia, de Luziânia, Goiás, pedófilo, 6 vítimas estimadas (morto)

Edmar Silva Rodrigues Junior, Maníaco da Tesoura, de Vila Velha, Espírito Santo,criminoso de ódio (Feminicídio),  6  vítimas estimadas (preso)

Luan Barcelos da Silva, não possui apelidos, atuou no Rio Grande do Sul, mortes normalmente relacionadas a outros crimes (latrocínio, por exemplo), 6 vítimas estimadas (preso)

Veja Também