Diário Logo

O Diário Logo

Carlos Lupi vem a Mogi e diz: ‘Meta é reduzir o tempo de espera no INSS para 30 dias’

De acordo com o Ministério da Previdência Social, aproximadamente 800 mil habitantes realizam novas solicitações mensais, que são concluídas em um prazo inferior a 40 dias

27 de junho de 2024

Carlos Lupi em evento de plenária participativa em Mogi das Cruzes | Fabio Pereira - O Diário

Reportagem de: Fabio Pereira

O ministro da Previdência Social, Carlos Lupi, afirmou que o governo federal trabalha para que o tempo médio de espera na fila do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) seja reduzido a 30 dias. A declaração foi feita nesta quinta-feira (27/06) durante um evento de plenária participativa, organizado pelo pré-candidato à Prefeitura de Mogi das Cruzes, Rodrigo Valverde (PT), no Espaço La Dolce Vita, situado no distrito César de Souza.

Segundo Carlos Lupi, atualmente a média de espera na fila pela análise de benefícios assistenciais ou previdenciários é de 36 dias. “Nossa ideia é chegar ao final do ano com 30 dias. A pessoa faz a solicitação e, neste período, terá a resposta positiva ou negativa“.

Ainda segundo o chefe da pasta, a cidade de Mogi das Cruzes possui 60 mil pessoas que recebem aposentadoria, auxílio-acidente, salário-maternidade, benefícios para pessoas com deficiência (PCDs), entre outros. Já em relação ao cenário nacional, ele destacou que aproximadamente 40 milhões de pessoas contam com uma renda que parte desses benefícios previdenciários.

“Quando assumi, em janeiro de 2023, havia cerca de 2,4 milhões de pessoas aguardando o resultado do seu pedido, é o que eu chamo de estoque de fila. Em média, o processo demorava 165 dias e, em alguns casos, um ano”, afirmou Lupi.

De acordo com o Ministério da Previdência Social, em dado divulgado na última terça-feira (25/06), aproximadamente 800 mil habitantes realizam novas solicitações mensais, que são concluídas em um prazo inferior a 40 dias. Os valores de pagamento destinados ao público incluído nos benefícios previdenciários são de R$ 66 bilhões.

“Cerca de 60% dos municípios vivem às custas da Previdência Social que, se parar de pagar, a cidade fecha. Olha a importância na geração de emprego e distribuição de renda”, ressalta.

Sobre melhorias no processo previdenciário, Lupi afirmou que a plataforma Atestmed e outros programas já estão sendo trabalhados. A plataforma a qual ele se refere oferece a possibilidade de fazer o requerimento por meio de análise documental para, assim, ter o benefício concedido mais rápido, sem passar pela perícia médica. Não há limitação territorial ou prazo mínimo de espera por agendamento de perícia. Qualquer segurado pode pedir, inclusive aqueles que já têm uma perícia presencial marcada.

Caso não seja possível conceder o benefício pela conformação dos documentos médicos ou odontológicos, será indicado ao cidadão que agende uma perícia presencial. O benefício não será indeferido com base exclusivamente na análise documental.

Veja Também