Diário Logo

O Diário Logo

Deputados do Alto Tietê dizem que aprovaram reforma tributária para atrair investimentos ao País

Os dois deputados federais que votaram sim pela aprovação da nova reforma tributária, Marcos Bertaiolli (PSD) e Rodrigo Gambale (PODE), alegam que essas mudanças são necessárias para garantir o desenvolvimento, reduzir a quantidade de impostos, atrair novos investimentos internacionais e modernizar a economia do País. Além disso, observam que o projeto aprovado pela Câmara Federal […]

8 de julho de 2023

Reportagem de: O Diário

Os dois deputados federais que votaram sim pela aprovação da nova reforma tributária, Marcos Bertaiolli (PSD) e Rodrigo Gambale (PODE), alegam que essas mudanças são necessárias para garantir o desenvolvimento, reduzir a quantidade de impostos, atrair novos investimentos internacionais e modernizar a economia do País. Além disso, observam que o projeto aprovado pela Câmara Federal garante os benefícios aos empreendedores do sistema Simples Nacional e acaba com a carga de impostos sobre os produtos da cesta básica.  O deputado federal Márcio Alvino (PL) votou contra a reforma, seguindo a determinação do partido.

Na opinião do deputado Bertaiolli,  as mudanças no sistema são necessárias para sintonizar o Brasil com o mundo e fazer com que as cadeias produtivas, que estão se movimentando de forma globalizada, possam escolher o nosso país para se instalar, gerando mais empregos e desenvolvimento econômico e social. “É preciso que as grandes empresas vejam o Brasil como uma opção de investimento e não como um país a ser excluído em razão do alto custo gerado por uma carga tributária antiga e desigual”, comenta Bertaiolli.

O parlamentar observa que no atual sistema, além de o Brasil ter a maior carga tributária do mundo, as pessoas não sabiam quanto pagavam e nem qual era ao certo o valor do bem adquirido e do imposto acumulado. “Agora, teremos transparência. Essa é a reforma do Brasil, a reforma que nos traz esperança e que nos coloca em sintonia com o mundo”.

Sobre a preservação do Simples Nacional, Bertaiolli destaca que “esse foi um pedido nosso, atendendo as Associações Comerciais e as Pequenas Empresas, o segmento que mais gera emprego e renda para o trabalhador, que é a minha maior missão defender, desde que assumi como deputado federal”.

Ele comenta ainda que nada aconteceu de um dia para o outro. “Tivemos grandes mudanças com essa reforma e é preciso ressaltar o trabalho vocacionado e técnico do governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, mudando paradigmas e apresentando a todos uma visão de futuro”, diz.

Modernização

O deputado Rodrigo Gambale, do Podemos, também destaca a importância do novo projeto para a modernização do sistema tributpario e da economia do País, que, segundo ele, vinha sofrendo muito com a situação tributária, considerada “um manicômio tributário, eleito como o mais confuso do mundo”.

Ele alega que atualmente, muitos recursos que deveriam ser pagos à União, aos estados e municípios, ficam contenciosos pela complexidade do nosso sistema tributário. “Hoje o Brasil tem R$ 2,3 trilhões de arrecadação de PIB e o nosso contencioso – litigio, judicialização de impostos se são devidos ou não – está na casa de R$ 7 trilhões, o que representam três PIBs”, compara

A nova reforma tributária, na avaliação do parlamentar, também irá acabar com as bitributações de imposto incidindo em cima de impostos, porque será aplicado um único imposto federal e outro estadual e municipal.

“Estamos reparando esse grande problema e tenho certeza que não é aumentando imposto que nós vamos melhorar a nossa arrecadação, mas sim facilitando o sistema tributário fazendo com que empresas de fora do Brasil, empresas é internacionais  e investimentos internacionais venham para o país devido a essa grande facilidade de comum acordo com os demais sistemas que existem no mundo”.

Outro ponto destacado por ele é o fato de a nova legislação por um fim na guerra fiscal entre municípios e estados, reduzindo valores de impostos para atrair empresas. “Isso porque o imposto será cobrado na ponta, na hora do consumo, no local que foi consumido e não onde foi fabricado, impedindo uma cidade ou um estado de dar desconto para levar empresas”.

Ele cita ainda a manutenção do sistema Simples, que representa 95% das empresas do Brasil. “São 19 milhões de empresas que continuarão no mesmo sistema tributável”, reforça, apontando ainda o fim do imposto da cesta básica e a redução de 50% sobre serviços médicos, medicamentos, transporte público e Educação.

Impostos

O Brasil tem arrecada hoje 5 tributos que incidem sobre os produtos comprados pela população: Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), Programa de Integração Social(PIS), Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Confins), ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e  Imposto Sobre Serviços(ISS).

A reforma simplifica tudo com a criação do IVA dual para bens e serviços, com uma tributação federal, que unificaria IPI, PIS e Cofins, e um estadual e municipal, unindo o ICMS e o ISS.

O proposta é pera a criação da Contribuição sobre Bens e Serviços(CBS) no lugar do IPI, PIS e Cofins, para ser administrado pela União, e o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS) para unir o ICMS e o ISS, com gestão compartilhada por estados e municípios

Leia também: Quando entra em vigor a Reforma Tributária? Veja o que muda

 

Questionamento

O Diário solicitou posicionamento do deputado Márcio Alvino sobre o voto contrário à Reforma Tributária, mas não recebeu resposta até o fechamento desta reportagem.

 

 

 

Veja Também