Diário Logo

O Diário Logo

Prefeitura de Mogi cobra concessionária sobre protesto em garagem de ônibus

Protesto causou transtornos aos usuários do transporte na manhã de hoje; administração municipal disse que não foi avisada sobre o movimento

4 de junho de 2024

Manifestação afetou o cotidiano de quem utiliza os serviços da empresa | Divulgação/PMMC

Reportagem de: Ana Lívia Terribille

A prefeitura de Mogi das Cruzes informou que irá cobrar explicações da concessionária Princesa, que realiza serviços de transporte público para cidade, sobre o protesto que ocorreu na manhã de hoje (4) na garagem de ônibus.

A manifestação afetou o cotidiano de quem usa os serviços da empresa. De acordo com usuários do transporte coletivo, eles chegaram ao ponto de ônibus por volta das 4h30 e, às 5h, ainda não haviam conseguido embarcar, o que gerou transtornos para a população.

O Diário entrou em contato com a Prefeitura de Mogi das Cruzes para entender melhor sobre o ocorrido. A Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana esclareceu que, no momento, o atendimento dos ônibus na cidade está normal.

O impedimento da saída dos ônibus da garagem da Princesa ocorreu às 4h desta terça-feira e foi causado por um protesto do Sindicato dos Rodoviários de Mogi das Cruzes em frente ao local, com solicitações que dizem respeito ao relacionamento entre trabalhadores e a empresa.

A administração municipal destacou ainda, em nota, que em nenhum momento o sindicato que representa os trabalhadores ou a empresa informaram sobre esse movimento à Prefeitura. “A Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana cobra esclarecimentos da empresa e se reunirá com os responsáveis.”

Nossa equipe tentou contato para saber o posicionamento do Sindicato dos Rodoviários de Mogi das Cruzes. Em resposta, foi dito que os diretores da organização estavam “fora” e que até o momento não tinham retornado. Devido à ausência dos responsáveis, demais detalhes não foram fornecidos.

A concessionária Princesa também foi procurada, mas até o momento, não se manifestou sobre o caso.

A matéria segue em aberta para manifestação dos citados.

Veja Também