Diário Logo

O Diário Logo

Com investimento de R$ 160 milhões, Suzano terá usina que transforma lixo em energia elétrica

Funcionamento do local deve ser iniciado nos próximos 24 meses; atividade será possível graças à Parceria Público-Privada entre a administração municipal e a concessionária Renova

20 de junho de 2024

Processo de produção de energia ocorrerá em três etapas | Fabio Pereira - O Diário

Reportagem de: Fabio Pereira

Com um investimento de R$ 160 milhões, Suzano receberá a instalação de uma Usina de Recuperação Energética de Resíduos Sólidos, ação que viabilizará a aplicação de uma tecnologia sustentável na rede de distribuição do município. O projeto, que não trará custos à administração municipal, ocorrerá graças à Parceria Público-Privada (PPP) firmada entre a prefeitura e a concessionária Renova Suzano, por intermédio da empresa BAL Suzano.

A apresentação do planejamento ocorreu na tarde desta quinta-feira (20/06), no Cineteatro Wilma Bentivegna, situado na região central da cidade. Na ocasião, representantes da empresa destacaram que a usina deve começar a funcionar dentro de 24 meses, após a conclusão das obras estruturais, que podem ser iniciadas em 2025. A previsão é que 300 toneladas de resíduos sejam transformadas em energia elétrica diariamente.

De acordo com o CEO da Geração de Resíduos Sólidos (GER), Gustavo Infiesta, que também esteve presente no evento, a cidade está apta para receber o projeto.

“Nós já estamos com um empreendimento sendo construído aqui em Suzano, dentro da unidade da Clariant, uma indústria química da região. Fizemos estudos logísticos e ambientais para saber se a cidade está apta para receber uma unidade desta, ou seja, já temos uma jurisprudência em que o município apresenta condições para abrigar o projeto”, destacou.

Questões como o licenciamento ambiental, visando à execução ideal do projeto, já foram iniciadas, incluindo consultas junto à Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) e à EDP São Paulo, concessionária de energia que atende o município. “Teremos três anos para fazer a construção, comissionamento, start-up e colocar isso para rodar”, completa Infiesta.

O empreendimento será instalado na estrada do Samuel, no bairro Fazenda Aya, em uma área de 43 mil metros quadrados. A escolha do local se deu devido à área possuir dimensões adequadas para a construção da usina e também pelo fato das proximidades contarem com redes de distribuição capazes de permitir a injeção de toda a energia elétrica produzida.

O prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi, afirmou que o município vem crescendo em relação aos assuntos ambientais.

“Esta é uma proposta nova adaptada ao cenário nacional. Conhecemos usinas, propostas e tipos de coletas. Chegamos à parceria em um modelo economicamente viável e, principalmente, capaz de trazer benefícios à população. Fizemos um projeto adaptado à realidade da cidade”, ressaltou.

Projeto

O modelo de produção de energia elétrica utilizando resíduos sólidos será dividido em fases. Na primeira, haverá a trituração de todo o material recolhido, sendo que, para esta etapa, serão separados plásticos e metais, de modo que haja a produção correta de energia. Já em um segundo momento, ocorrerá o processo de gaseificação, necessário para que todo o lixo recolhido seja aquecido e decomposto termicamente e, deste modo, possibilite a remoção de impurezas no processo de conversão de energia.

Um dos principais benefícios deste método é a redução drástica na emissão de gases de efeito estufa, principalmente CH4, o metano, com possível exploração dos créditos de carbono, mecanismo criado para combater as mudanças climáticas. Outro benefício será a queda na massa encaminhada para disposição final, bem como o reaproveitamento dos rejeitos na construção civil. Em relação à economia, a usina criará 50 empregos na fase de operação e outros postos de trabalho nas etapas de fabricação e construção.

Veja Também