Diário Logo

O Diário Logo

Empresa desiste do aeroporto que Mogi sonhava receber no Taboão

Houve um tempo em que ocorreu uma grande mobilização da cidade, feita especialmente com apoio deste jornal, para que o novo aeroporto que deveria ser construído na Grande São Paulo fosse destinado ao bairro do Taboão, em Mogi. Pois depois de muito vai-não-vai, a região localizada entre Caieiras e Cajamar, no outro extremo da Grande […]

20 de abril de 2023

Reportagem de: O Diário

Houve um tempo em que ocorreu uma grande mobilização da cidade, feita especialmente com apoio deste jornal, para que o novo aeroporto que deveria ser construído na Grande São Paulo fosse destinado ao bairro do Taboão, em Mogi. Pois depois de muito vai-não-vai, a região localizada entre Caieiras e Cajamar, no outro extremo da Grande São Paulo, acabou sendo a escolhida. E caberia à empresa CCR construir o empreendimento para explorá-lo durante determinado período.

Após muita ebulição, o assunto acabou caindo no esquecimento. Mas eis que nesta terça-feira (18), a empresa trouxe novamente o tema à discussão ao anunciar a não continuidade do projeto do aeroporto metropolitano, denominado de Novo Aeroporto de São Paulo (Nasp).

Segundo a informação, o contrato assinado em 2016, para aquisição do imóvel naqueles municípios, pelo valor total de R$ 378.415.275,93, previa que, durante um prazo de sete anos, a Companhia de Participações e Concessões (CPC), que controla a CCR, deveria confirmar a realização da obra, caso contrário  haveria a devolução parcial do terreno. Esse prazo, no entanto, se encerrou em fevereiro de 2023.

E como não aconteceu a aprovação da regulamentação que possibilitasse a real instalação do aeroporto comercial privado durante aquele período, e diante do contexto econômico do mercado e do contrato, ficou decido pela descontinuidade do Projeto Nasp.

Dessa maneira, a Sociedade de Participações em Concessões Privadas (SPCP), que é a subsidiária integral da CCR e atual detentora do terreno, notificou a Space Empreendimentos Imobiliários Ltda, que lhe vendeu o imóvel, para que seja feita a devolução de cerca de 30% do total do terreno, de acordo com que estava previsto no contrato inicial.

Em nota ao mercado, a companhia reforçou a seus acionistas e ao mercado em geral que a descontinuidade do Projeto Nasp faz parte de sua “estratégia contínua de crescimento qualificado e de alocação racional de capital, e segue atenta às oportunidades de valorização da parte remanescente do terreno”.

E agora, tudo voltou à estaca zero? Ou São Paulo não necessita mais de um novo aeroporto metropolitanos?

Veja Também