Diário Logo

O Diário Logo

Festa do Divino deve reunir mais 400 mil pessoas em Mogi

Após três anos com a quermesse suspensa, a Festa do Divino de 2023 volta a ser realizada em Mogi das Cruzes, no período de 18 a 28 de maio, com a expectativa de reunir um público de mais de 400 mil pessoas em 10 dias de atividades. Os organizadores estão a todo vapor com os […]

17 de abril de 2023

Reportagem de: O Diário

Após três anos com a quermesse suspensa, a Festa do Divino de 2023 volta a ser realizada em Mogi das Cruzes, no período de 18 a 28 de maio, com a expectativa de reunir um público de mais de 400 mil pessoas em 10 dias de atividades. Os organizadores estão a todo vapor com os últimos preparativos para o evento, que conta com extensa programação religiosa, social, artística e folclórica.

São 410 anos dessa festa histórica em Mogi, considerada uma das mais tradicionais do país, que deixou de ser realizada em sua totalidade por três anos, devido à pandemia da Covid-19. Tudo é planejado e executado sob o comando da Cúria Diocesana de Mogi das Cruzes, Associação Pró-Festa do Divino, festeiros e capitães de mastro.

Eles se reuniram na tarde desta segunda-feira (17), na sede da Associação, para anunciar as novidades da festa e benzer “as abelhinhas”, que são as equipes responsáveis pela produção dos doces e salgados típicos da festa, realizada no Centro de Integração Profissional (CIP) Deputado Maurício Najar, no Mogilar, onde também funciona o Pró-Hiper.

Para este ano, estão confirmadas a participação de 27 instituições que vão comercializar os mais diversos tipos de alimentos e bebidas, além da barraca do afogado. Para facilitar a compra dos produtos, os pagamentos poderão ser feitos com cartões, PIX e outras ferramentas. Também para evitar as filas enormes em locais de venda das fichas, será implementado um sistema volátil, com pessoas que circularão pelo recinto para facilitar esta comercialização.  

O público que comparecer também poderá assistir a diversos shows. Estão confirmadas as apresentações dos cantores Agnaldo Rayol, Gabriel Sater, Demônios da Garoa, padre Antônio Maria, Orquestra de Mogi, entre outros artistas.  

O bispo diocesano dom Pedro Luiz Stringhini esteve na celebração para benzer as “abelhinhas” e disse que as expectativas “são muito positivas”. “A parte religiosa, nós fizemos nos anos anteriores, mas de modo muito restrito, porém, este ano, tudo será completo, incluindo a quermesse. As pessoas também gostam de participar dos momentos culturais, porque isso tudo faz parte dessa festa religiosa, cultural, artística e histórica da cidade”, destacou.

Festeiros

À frente do evento em 2023 estão os festeiros Josmar Cassola Silva e Maria Tereza Pereira Cassola Silva e os capitães de mastro Ricardo Medina Alvarez e Maria de Lourdes Pereira da Silva Medina, que definiram o tema: “Divino Espírito Santo, fortalecei a Fé e a União nas famílias”.

A escolha dos festeiros chamou atenção pelo fato de Josmar e Maria Tereza Pereira Cassola Silva estarem assumindo a tarefa pela segunda vez. A primeira foi em 2012. Há muitos anos um mesmo casal não é nomeado para esse cargo por mais de uma vez. Sobre isso, o bispo explica que o que pesou na escolha do casal foi exatamente essa questão a experiência deles para a missão de retornar um evento após três anos.    

“Eles foram os escolhidos porque a gente precisava retomar a festa e era mais difícil retomar do que dar sequência ao que já vinha sendo feito. Era preciso mesmo uma pessoa com experiência e de boa vontade, que é o que temos, graças a Deus. Não basta boa vontade, porque boa vontade eu também tenho, mas não saberia fazer uma coisa tão grande assim”, reforça, lembrando que Josmar foi também presidente da associação.

Quanto à programação religiosa, dom Pedro disse que a expectativa é de que também seja maior a participação dos devotos do Divino nas missas, novenas, alvoradas, procissões e outros. A retomada vem junto com esse entusiasmo de todas generalizado porque as pessoas estavam querendo e, claro, o Espírito Santo à frente, inspirando os sete dons do Divino, que são sabedoria, inteligência, conselho, fortaleza, ciência, piedade e temor a Deus.

O tema da festa deste ano é “Divino Espírito Santo, fortalecei a fé e a união nas famílias”. Segundo o religioso, o tema foi escolhido porque a Igreja preza pela família, a base de tudo, por isso a sociedade tem também que defender e criar condições para que a família não se desintegre. “Tudo começa pela oração, por isso, a gente pede para que o Espírito Santo fortaleça a fé e a união nas famílias. A expectativa é positiva, está tudo certo e caminhando de acordo com o planejado”, disse.

Um dos desafios para os festeiros e capitães foi procurar os parceiros e patrocínios para a realização do evento. Cassola conta, no entanto, que há boa resposta dos patrocinadores. “Tivemos parceiros e pessoas que tinham muita experiência com a festa e faleceram durante a pandemia de Covid. Apenas na equipe do afogado, houve perda de 7 pessoas. Todos serão homenageados no decorrer do evento”, lembrou o festeiro.

“A partir desta terça-feira (18), começamos a contar 30 dias para festa. Estamos muito bem encaminhados, mas agora começa a correria porque tudo tem que ser rápido. Nós queremos fazer uma festa como deve ser. Antes, a festa crescia mais a cada ano. Agora, queremos continuar crescendo no número de participantes, de público, de pessoas nas alvorada, no café da Alvorada, na Entrada dos Palmitos”, aposta Cassola, afirmando que a Prefeitura de Mogi também vem dando todo o respaldo na montagem do evento e deve colaborar com a segurança, trânsito e outros serviços.

 

Veja Também